Governo de SP recomenda mercados abertos, mas ‘não é para comprar roupas’

295

No entanto, o pedido do governo é para que as pessoas façam apenas compras essenciais, diminuindo assim o risco de contágio.


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse hoje (24) que, durante a fase emergencial no estado, não recomenda o fechamento de supermercados nem qualquer restrição para vendas de produtos nestes estabelecimentos. No entanto, o pedido do governo é para que as pessoas façam apenas compras essenciais, diminuindo assim o risco de contágio. 

“A recomendação expressa do governo é não fechar supermercados. Eles representam pontos de abastecimento fundamentais para a população. Não importa o tamanho do mercado. Devem ficar abertos”, declarou Doria, em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes. 

O governador destacou os protocolos que todos mercados devem seguir, como limitação de apenas 40% da capacidade, medição de temperatura, uso de máscaras e de álcool em gel. Segundo o governo, a maioria dos supermercados tem seguido essas instruções. 

João Gabbardo, coordenador executivo do Centro de Contingência da covid-19 em São Paulo, deu mais orientações. 

“O ideal é que a pessoa faça individualmente a compra e fique o menor tempo possível no supermercado. Não vai haver proibição de compra de produto. Mas o ideal é que a pessoa faça a aquisição daquilo que é essencial. Não é para comprar ar condicionado, bicicleta e roupa, porque isso faz com que a pessoa fique mais tempo no mercado e aumente o risco de contaminação”, alertou Gabbardo. 

Doria aproveitou para esclarecer que não vai proibir a compra de produtos não essenciais, como já foi feito em outros locais. “Não fecharemos gôndolas. É um direito do consumidor comprar o que quiser, mas não recomendamos. Recomendamos que as pessoas se dirijam para comprar aquilo que é essencial, deixando outras compras para quando estivermos na faixa adequada, que permita circulação”, concluiu o governador. 

Atualmente o estado de São Paulo está na fase emergencial, que impõe algumas restrições para serviços essenciais, mas não limita supermercados. Porém, as prefeituras têm liberdade para aplicar medidas mais restritivas, se acharem necessário.

*Informações do UOL