Votuporanga corre risco de falta de oxigênio, aponta Conselho de secretários municipais de Saúde do estado

449

Levantamento do Cosems-SP foi divulgado nesta quarta-feira (24); Prefeitura reconhece aumento da demanda, mas descarta desabastecimento.


Ao menos 115 municípios paulistas, entre eles Votuporanga, correm risco de abastecimento de oxigênio, de acordo com um levantamento divulgado nesta quarta-feira (24) pelo Conselho de secretários municipais de Saúde do estado (Cosems-SP). 

Desde o início de março, a entidade tem monitorado junto às secretarias de Saúde a situação do oxigênio gasoso. Esta última investigação destacou um aumento de 61 municípios pela demanda do insumo. 

A pesquisa identificou o estado crítico em 177 unidades de saúde, ou seja, os serviços possuem suprimento para menos de uma semana. 

Em Votuporanga, o assunto veio à tona, após um vídeo em que aparece o prefeito de Pontes Gestal/SP falando sobre a possibilidade. 

Na segunda-feira (22), o governo do estado disse que São Paulo registrou um aumento acima de 40% na demanda pelo produto, mas descartou o risco de desabastecimento de oxigênio. 

A gestão João Doria (PSDB) anunciou a instalação de uma usina de oxigênio em Ribeirão Preto, em parceria com a Ambev, e informou que mobiliza a iniciativa privada para ampliar a produção e a distribuição de oxigênio. Os fornecedores teriam garantido o abastecimento do insumo hospitalar. 

Situação em Votuporanga

Procurada pelo Diário de Votuporanga, a Secretaria da Saúde informou que o consumo de oxigênio vem aumentando significativamente, saltando de 100 m³ por semana para cerca de 500 m³ por dia.  

A Pasta, explicou ainda que “q demanda segue aumentando em todo o país e a oferta disponível no mercado em geral não segue na mesma proporção. Em Votuporanga, até o momento, não chegou a ocorrer desabastecimento, mas diversas frentes de atuação trabalham diariamente para manter os estoques com diversos fornecedores”.