Vereador apreende materiais supostamente falsificado em depósito da Saúde; Prefeitura de Votuporanga nega 

    160

    De acordo com o vereador Cabo Renato Abdala (Patriota), os produtos hospitalares teriam sido entregues a Administração Pública sem as especificações necessárias descritas no edital. Prefeitura afirmou em nota que não realizou o pagamento pelo material e que analisa possíveis sansões administrativas a empresa envolvida.


    Na manhã desta terça-feira (20), o vereador Cabo Renato Abdala (Patriota), esteve no almoxarifado de produtos hospitalares da Prefeitura Municipal de Votuporanga/SP, onde realizou a apreensão de aventais hospitalares possivelmente falsificados. Os produtos teriam sido entregues a Administração Pública sem as especificações necessárias descritas no edital, e desta forma, colocaria em risco a saúde dos profissionais de saúde que fazem o uso dos equipamentos.

    A assessoria do parlamentar relatou que um boletim de ocorrência seria lavrado e o material encaminhando para a delegacia de polícia. “Trata-se de um material hospitalar, e deve ser levado a sério, como meu papel é fiscalizar, eu vim até o local para fazer isso, após ter recebido a denúncia dessa irregularidade, não vamos admitir erros, principalmente com a saúde”, disse Renato Abdala.

    Na delegacia, segundo o parlamentar, foi constatado que a empresa que realizou a venda do material não possui habilitação para realizar a venda de produtos hospitalares. 

    O que diz a Prefeitura de Votuporanga

    Em nota, a Prefeitura de Votuporanga informou que “os aventais hospitalares comprados pelo último processo de licitação não se trata de material falsificado. Os mesmos, que ainda não foram distribuídos aos profissionais, não tiveram o acabamento de costura efetuado como havia sido exigido em edital”. 

    Ainda segundo o documento: “todos os aventais passariam por uma nova conferência antes de serem entregues nas Unidades de Saúde, como tradicionalmente é realizada. Diante do ocorrido, imediatamente a Prefeitura determinou a devolução do produto e analisa possíveis sanções administrativas à empresa. Por conta de uma segunda conferência que seria realizada, o pagamento ainda não foi efetuado à empresa. Portanto, não houve prejuízos financeiros ao Município.” 

    A Prefeitura encerrou a nota alegando que melhorará os processos internos, além de reforçar os protocolos de compra e revisão de produtos.