Usando sua prerrogativa por ser o presidente da Câmara, Meidão também apresenta projeto para proibir fogos de artifícios

383

 

Danilo Camargo –

Agora, não só o vereador Chandelly quer proibir os fogos de artifícios em Votuporanga, o Vereador Meidão também apresentou projeto para proibir fogos de efeitos sonoros em no município.

Se aprovado, deverá dar alívio para donos de animais de estimação, idosos e crianças pequenas que sofrem por contam do excessivo barulho causado pelos fogos de artifício no período de festas.

O texto de Meidão, como o de Chandelly, propõem a proibição do manuseio, utilização, queima e soltura de fogos de estampidos e de artifícios, assim como quaisquer artefatos pirotécnicos de efeito sonoro ruidoso no território do município, sob pena de multa.

Chandelly Protetor

“Por duas vezes tentei colocar em votação, porém eu não tinha a maioria simples e tive que retirar o projeto, desta vez, não retiro. Preciso do apoio da população, de todos aqueles que não aguentam mais. Nossas crianças, idosos, acamados, autistas, pássaros e os animais que estão sendo prejudicados. Gente é uma questão de saúde pública, tem que ser proibido a nível nacional, mas farei a minha parte aqui no âmbito municipal”, promete Chandelly.

O vereador, também conhecido como Protetor, explica que elaborou um texto desta vez, que foi protocolado no ultimo dia 30, após tomar ciência de vários casos em que crianças e idosos sofreram com os estouros, principalmente nas festas de Natal e Ano Novo, além dos vários relatos de animais de estimação que apresentaram mudança de comportamento, mal-estar, ou até fugas, pulando muros de residências por conta do desespero causado pelos estouros.

Meidão Justifica em seu projeto

Em sua justificativa, Meidão afirma que tem sido amplamente divulgado na mídia que fogos de artifício com estampido causam uma série de efeitos negativos e nocivos a pessoas especiais, principalmente crianças, a idosos e animais, especialmente cães e gatos. “Podemos notar diariamente nas redes sociais que milhares, senão milhões de internautas lutam para uma mudança nos hábitos culturais da sociedade brasileira e mundial contra a prática de soltar fogos de artifício com estampidos”.

O parlamentar acredita que a comemoração de datas ou eventos festivos pode ser feita de maneira que não agrida parte significativa do meio ambiente. Segundo ele, “fogos de vista”, apenas com efeitos visuais são belos e agradáveis e podem substituir perfeitamente os estouros que maltratam as pessoas e animais mencionados.

Meidão cita que na capital paulista e outras cidades do Estado, como Campinas, Ubatuba, Sorocaba, São Manuel, Itu, Mogi Mirim e Conchal, além de outras cidades brasileiras, já foram publicadas leis que proíbem os fogos de artifício com estampido.

O vereador lista alguns problemas relatados por donos de animais durante a soltura de fogos barulhentos: fugas, em que os cães e gatos acabam atropelados ou podem provocar acidentes; mortes, enforcando-se na própria coleira quando não conseguem rompê-las para fugir, ou mesmo ao tentarem passar por vãos pequenos, atirando-se de janelas, atravessando portas de vidros, batendo a cabeça contra paredes e grades; ferimentos, quando atingidos ou quando abocanham rojão achando que é algum objeto para brincar; traumas emocionais, resultando na mudança de temperamento para agressividade; ataques contra os próprios donos e outras pessoas; brigas com outros animais com os quais convivem, inclusive; mutilações no desespero de fugir, atravessando grades e portões, ; convulsões, morte e alteração do ciclo reprodutor dos animais da fauna silvestre.

Meidão acredita que lei ajudará a promover uma mudança de hábito, que a princípio, desperta receio e desconforto, como foi com a obrigatoriedade do uso de capacetes e cinto de segurança, por exemplo, ou a Lei Antifumo. “Assim como a Lei Antifumo, esta nossa proposta não causará desemprego ou prejuízo aos comerciantes, uma vez que os fogos de vista poderão ser utilizados por nossos munícipes em eventos e festejos. A adaptação, acreditamos, será em curto espaço de tempo e será aprovada por toda a população.”