Terapia Aquática em Pacientes com Tetraparesia Espastica

641

 

Tetraparesia – é a perda parcial das funções motoras dos membros inferiores e superiores. A tetraparesia espástica decorre de lesões difusas bilaterais no sistema piramidal e acarreta restrito uso funcional dos membros superiores, bem como prognóstico de marcha reservado.

São comuns intensas retrações musculares em semiflexão, síndrome pseudobulbar (hipomimia, disfagia e disartria), alteração global de tônus muscular, diminuição da motricidade espontânea e da mobilidade articular. Nesses quadros, a espasticidade é caracterizada por hipertonia muscular relacionada à velocidade do movimento e associada à persistência de reflexos posturais primitivos, que alteram os padrões de movimento e todo o organograma de aprendizagem e aquisição motora.

A Terapia Aquática possui uma gama de fatores que podem favorecer e equilibrar o quadro biomecânico do paciente com espasticidade. A reabilitação aquática proporciona ao paciente: – Melhor controle dos movimentos voluntários; – Maior estabilidade para marcha; – Flexibilidade; – Força e equilíbrio na aquisição de posturas que não conseguem manter em solo; Os efeitos terapêuticos da água aquecida proporcionam uma vasodilatação e consequente relaxamento das fibras musculares, fazendo com que haja uma diminuição do tônus muscular. A FIFE (Faculdade Integrada de Fernandópolis) conta com uma ampla infraestrutura no setor de Terapia Aquática com piscina aquecida disponibilizando atendimento ao público com supervisão de profissionais capacitados.

Docentes: Maristela Ribeiro da Silva e Rosana de Fatima Garbin

Discentes: Amanda Zelioli Martins
Antônio Marcos M. Filho
Bruna N. dos Anjos Silva
Isabel Garcêz Machado
Tiago Stafusa Moro