FPF quer reunião com Ministério Público para tentar autorização para volta do Paulistão

222

Entidade espera obter apoio do Procurador-Geral após produção de novo protocolo pelos clubes. Torneio foi paralisado no último dia 15 de março, quando novo decreto do governo de SP suspendeu a realização de eventos esportivos no estado como medida de contenção da pandemia de Covid-19.


A Federação Paulista de Futebol pretende se reunir novamente com o Ministério Público estadual nesta segunda-feira (5) para debater a possibilidade de retomada do Campeonato Paulista ainda durante a vigência da fase emergencial em São Paulo – válida até 11 de abril.

O torneio foi paralisado no último dia 15 de março, quando novo decreto do governo João Doria (PSDB) suspendeu a realização de eventos esportivos no estado como medida de contenção da pandemia de Covid-19. A suspensão se baseou em recomendação do Ministério Público. 

Nesse período, a FPF organizou dois jogos, Mirassol x Corinthians e São Bento x Palmeiras, em Volta Redonda, no Rio de Janeiro, mas depois não conseguiu encontrar outros locais fora de São Paulo para transferir as partidas. 

Na reunião, a federação reforçará o argumento de que um novo protocolo, ainda mais rígido, foi produzido pelos médicos dos clubes e que há a possibilidade de manter as delegações em “bolhas” para diminuir os riscos de contágio. 

A primeira intenção é conseguir apoio do MP para realização de jogos ainda nesta semana. O plano é adiantar partidas de times com calendários mais apertados, como Corinthians e São Paulo. 

A liberação imediata, porém, é tida como improvável na FPF. Por isso, o segundo pedido será o de conseguir a liberação dos jogos para o dia 12 de abril – a atual fase emergencial vence no dia 11, mas pode ser ampliada. 

A federação mantém a intenção de terminar o Paulista até o dia 23 de maio, data original da final. Para isso, além de contar com a liberação no máximo até a semana que vem, terá que organizar uma maratona de jogos, possivelmente com partidas de um mesmo clube com intervalos menores a 72 horas. 

Se confirmada, será a segunda reunião entre a FPF e o MP desde a semana passada, quando os clubes se reuniram para produzir o novo protocolo. A primeira não teve resultado, e federação informou apenas que o diálogo seria retomado. 

Em entrevista, nesta segunda-feira, o coordenador-executivo do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, João Gabbardo, disse estado deve permanecer na fase vermelha da quarentena, caso a fase emergencial não seja novamente prorrogada. “Infelizmente os dados apontam para uma necessidade de manutenção da fase vermelha”. 

Caso o estado avance para a fase vermelha, é provável que haja liberação para eventos esportivos, ainda sem público, com ocorreu antes da decretação da fase emergencial. 

*Com informações do globoesporte