Votuporanguense é goleado pela Portuguesa na Arena Plínio Marin e se complica na Copa Paulista

449
Foto: Rafael Bento/Votuporanguense

Na terça-feira, às 20h, o CAV buscará reverter o placar de 3 a 0 no Canindé para chegar às semifinais da competição e continuar lutando pelo sonho do bicampeonato.


O Clube Atlético Votuporanguense recebeu a Portuguesa no final da manhã deste sábado (23), na Arena Plínio Marin, em Votuporanga/SP, no jogo de ida das quartas de final da Copa Paulista e perdeu por 3 a 0 para a atual campeã do torneio. 

Diante de 737 torcedores, o elenco do técnico Thiago Oliveira se demonstrou ansioso em campo e logo aos 3 minutos de bola rolando o zagueiro André Bauer foi cortar um cruzamento na pequena área e de cabeça acabou neutralizando o goleiro Talles e abrindo o placar para os visitantes.

A partida marcou o retorno do público aos estádios em jogos da competição com até 50% da capacidade liberada. Foto: Rafael Bento/Votuporanguense

O segundo gol da Lusa sairia em seguida, após outra falha da zaga da Pantera Alvinegra, quando aos 10 minutos Bauer ‘furou’ a bola ao receber um passe entre o meio de campo e a grande área; a bola se ofereceu para o atacante Léo Castro que marcava a saída de bola e agradeceu, tomou a frente da jogada, se livrou do arqueiro Talles e ampliou o marcador. 

Apesar de irreconhecível em campo, o CAV tentava sair para o campo de ataque e buscar o gol do inspirado Thomazella, mas não conseguia chegar e nas raras oportunidades o arqueiro da Lusa tranquilizava o lance para os visitantes.

Um dos destaques do lado Alvinegro ficou para o recém chegado Erick Salles que ousou enfrentar a bem postada zaga da Portuguesa, mas não conseguiu passar por Thomazella. 

Enquanto o Votuporanguense tentava diminuir o placar, a Portuguesa aproveitava o buraco na defesa para ampliar a diferença. Aos 37 minutos, após cobrança de escanteio, Tauã subiu mais que a zaga do CAV e obrigou Talles operar um milagre e evitar o terceiro gol da Lusa. 

Por falar em milagre, já nos acréscimos concedidos pelo arbitro Thiago Duarte Peixoto, em jogada após roubada de bola no campo de defesa, Rafael Verroni teve uma avenida a sua frente e mandou uma bomba a queima-roupa contra Thomazella que se virou para defender, no rebote a bola voltou para Verroni que cruzou, mas Lorran bateu na zaga. 

No segundo tempo, a esperança da torcida nutrida pelo excelente lance da Pantera Alvinegra no último lance antes do intervalo foi substituída pelo medo de mais um gol, quando logo aos 30 segundos de jogo Caio Mancha quase ampliou. 

O Votuporanguense tentava sair, mas estava completamente dominado pela Portuguesa. Aos 15 minutos, em contra-ataque rápido, Léo Castro fez bela jogada, driblou o goleiro Talles e ampliou o placar 3 a 0 para os visitantes. 

Aos 25 minutos a Votuporanguense voltou a levar perigo, dessa vez pelo lado esquerdo. Israel fez boa jogada e rolou para Luiz Fernando que encheu o pé, mas o goleiro conseguiu fazer a defesa. No rebote Lorran bateu firme de fora da área, porém a bola subiu demais. 

Já nos acréscimos, a Pantera Alvinegra ainda levou perigo com uma cabeçada dentro da pequena área de Israel, mas a bola foi longe da meta defendida por Thomazella e a partida se encerrou. 

Em busca de um milagre

No futebol absolutamente nada é impossível, viradas até então impossíveis já foram alcançadas e o CAV precisa exatamente disso para tirar à diferença no jogo de volta contra a Portuguesa que está marcado para terça-feira (26), às 20h, no estádio do Canindé, em São Paulo. Em caso de igualdade na soma dos resultados, a decisão irá para os pênaltis.