Volta as aulas: Votuporanga começa ano letivo no dia 2 de fevereiro, presencial e obrigatório 

708
Foto: Reprodução

Decreto publicado na última sexta-feira extinguiu a possibilidade de presença facultativa, no entanto, ficam dispensados alunos sob recomendação médica.


A edição eletrônica do Diário Oficial do Município apresentou na tarde da última sexta-feira (21.jan), o decreto que dispõe sobre o retorno das aulas presenciais 100% obrigatório para os alunos matriculados no Ensino Público Municipal, Escolas Particulares, rede SESI e demais Instituições conveniadas com o município de Votuporanga/SP.

A Secretaria Municipal da Educação estabeleceu para o próximo dia 2 de fevereiro o retorno as aulas; no entanto, uma novidade quando comparado ao final do ano passado é a obrigatoriedade da presença em sala nas unidades escolares, já que antes era facultativo. A medida atende orientação da Vigilância Epidemiológica, mediante análise do cenário pandêmico no Município e leva em consideração o início da vacinação de crianças de cinco a 11 anos. 

Contudo, observasse que serão dispensados do retomo obrigatório, os servidores e/ou alunos ou com suspeita ou confirmação de diagnóstico de infecção pela Covid-19 e atestada por prescrição médica ou por recomendação do agente de vigilância epidemiológica, enquanto acometidos pela doença. 

Como medida preventiva à propagação do vírus, a Secretaria da Educação ressalta que continua seguindo o protocolo de retorno às aulas presenciais, previsto no “Programa Escola Mais Segura”, que foi elaborado ano passado, readequando algumas ações para dar seguimento aos trabalhos já em desenvolvimento. 

Pandemia 

As aulas presenciais foram suspensas em março de 2020 nas 31 unidades escolares da Prefeitura e forçou uma revolução no ensino de cerca de 7,6 mil alunos matriculados na rede municipal que foram vedados de comparecer nas salas de aula.  

Os alunos só retornariam aos bancos escolares em agosto de 2021, de maneira facultativa e com diversos protocolos de biossegurança, por meio do Programa Escola Mais Segura, de forma a garantir o retorno com tranquilidade aos alunos, pais e profissionais da educação. 

Em novembro do ano passado, as escolas puderam voltar a receber até 100% dos alunos, mas respeitando o distanciamento social, o que provocou o rodízio de turmas na maioria das escolas. Já em dezembro, no fim do ano letivo, as restrições basearam-se aos protocolos sanitários comuns e as aulas puderam ser retomadas num ‘novo normal’.