Presidente da Alesp, Carlão Pignatari, visita obras de restauração e modernização do Novo Museu do Ipiranga 

102
Foto: Reprodução

Reabertura do museu está prevista para o feriado nacional de 7 de Setembro, e vai marcar o bicentenário da Independência do Brasil.


O presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, deputado Carlão Pignatari, visitou nesta quarta-feira (18.mai) as obras de restauração e modernização do Novo Museu do Ipiranga, no Dia Internacional do Museu.

Durante a visita, ele se reuniu com o governador Rodrigo Garcia, o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes, o secretário de Estado da Cultura e Economia Criativa, Sérgio Sá Leitão, e o reitor da USP, Carlos Carlotti Junior.

A prefeita de Barretos, Paula Lemos, acompanhou Carlão na visita. Em dezembro de 2021, a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo promoveu a classificação do munícipio de Barretos, que passou de MIT (Munícipios de Interesse Turístico) para estância turística. 

O projeto Museu do Ipiranga 2022 tem como objetivo a restauração e modernização completas do Museu do Ipiranga, visando a sua reabertura para as comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil neste ano. “Um museu novo, moderno, com incentivo da iniciativa privada, sem recursos públicos, apenas com benefícios da lei de incentivo às empresas. Parabéns à USP e ao governo de São Paulo por deixarem este importante monumento reformado para a população de São Paulo”, disse Carlão. 

Novo Museu 

As obras de restauração do Museu do Ipiranga foram iniciadas em 2019, pela atual gestão estadual. A reforma do edifício-monumento foi concluída em abril deste ano. Após a solenidade do Sete de Setembro, o museu volta a receber visitações com 12 exposições inaugurais. 

O valor total do restauro e ampliação do Edifício-Monumento chegou a R$ 211 milhões e compreende o patrocínio direto de 29 patrocinadores, repasses do governo de São Paulo e aportes da União, por meio da Lei Rouanet. A obra principal foi 100% concluída pelo governo do Estado, por meio da Universidade de São Paulo e da Fundação USP. 

O novo projeto prevê que todo o edifício, patrimônio tombado nas três esferas do governo, será dedicado exclusivamente à visitação pública, com exposições e espaços visuais de sua arquitetura monumental plenamente renovados, com acessibilidade e integrados ao conjunto urbanístico do Parque da Independência. 

O Museu terá uma nova área de 6.800 m², incluindo sala de exposições temporárias, salas para atendimento do programa educativo, café, auditório, loja e uma área confortável de acolhimento, sendo compatível com os grandes museus internacionais. Também irá ampliar de forma significativa a sua visitação pública, podendo receber um público acima de 500 mil visitantes por ano. 

O jardim francês, em frente ao edifício-monumento, está sendo totalmente transformado com novo paisagismo, restaurante, infraestrutura para food bikes, modernização da iluminação pública e vias de acesso, equipamentos de acessibilidade e reativação da fonte central. 

As exposições de longa duração, utilizando os acervos do espaço, serão ampliadas e completamente renovadas. Os temas e questões serão desenvolvidos dentro das linhas de pesquisa institucional.  

Construído entre 1885 e 1890, o Museu está situado dentro do complexo do Parque Independência, na zona sul da capital. Concebido originalmente como um monumento à Independência, foi declarado sede do Museu do Estado em 1895 e, desde 1963, é administrado pela USP.  

No site do Museu do Ipiranga (museudoipiranga2022.org.br) é possível acompanhar vídeos e fotos dos bastidores diários da restauração. O espaço será reaberto no feriado nacional de 7 de Setembro, e vai marcar o bicentenário da Independência do Brasil.