Olímpia constrói o primeiro memorial em homenagem às vítimas da Covid do noroeste paulista

177

Espaço foi edificado em uma área em frente ao Cemitério Municipal e está aberto para visitação do público a partir desta quinta-feira (4).


Uma das maiores dificuldades das famílias acometidas pelo Coronavírus é o fato de não poderem estar próximos de seus entes e isso se torna ainda mais doloroso diante do óbito, quando, muitas vezes, não é possível realizar uma despedida mais calorosa. 

Pensando nisso, a Prefeitura da Estância Turística de Olímpia/SP iniciou, no ano passado, a construção de um Memorial em homenagem às vítimas da Covid. O espaço foi edificado em uma área em frente ao Cemitério Municipal e está aberto para visitação do público a partir desta quinta-feira (4). 

O memorial de Olímpia é o primeiro do noroeste paulista e um dos únicos em todo o Estado de São Paulo. O intuito é que seja um local para reflexão, oração, visitas e homenagens, que eternize as lembranças e a vida desses moradores. 

O projeto conta com um monumento simbólico e com uma lápide que leva o nome dos olimpienses que lutaram bravamente contra o vírus. Além disso, no espaço foi construída uma praça com rampas de acesso, bancos, iluminação de LED e paisagismo. A proposta da obra é de autoria do arquiteto e urbanista, Leonardo Gimenez, e a escultura do monumento é assinada pelo conceituado e premiado artista plástico, Romildo Cardozo. 

Trata-se de uma escultura em aço, com três metros de altura e pintura com acabamento texturizado em verniz PU (poliuretânica), que é uma tinta de alta resistência. O coração, que faz parte da composição, foi executado em fibra de vidro estruturada, com pintura automotiva e verniz. Os investimentos foram realizados com recursos próprios. 

Para a entrega simbólica do espaço, foi realizado um ato ecumênico, de forma breve e restrita, com a presença de um padre e um pastor, que fizeram bênçãos e deixaram uma mensagem de reflexão, além da participação do prefeito Fernando Cunha e algumas famílias. 

“Os dados do Coronavírus não se resumem a números. São pessoas: pais, avós, filhos e amigos que tiveram suas vidas interrompidas de forma inesperada por um inimigo invisível. Nós sabemos que este memorial não trará as vidas de volta, mas é um sinal de respeito que servirá de alento. Um espaço para oração, visitas, homenagens e, mais do que isso, para nos lembrar todos os dias das marcas que a pandemia deixou e de que a batalha desses soldados não foi em vão”, declarou o prefeito Fernando Cunha, quando anunciou o memorial. 

*Com informações do gazetaderiopreto