Ministério da Saúde aponta acidentes como principal causa de morte entre crianças

627

Os relatórios anuais do DATASUS, o departamento de informática do Sistema Único de Saúde do Brasil, apontam que os acidentes são a principal causa de morte de crianças entre 1 e 14 anos em todo o país. De acordo com o último levantamento, referente ao ano de 2017, foram 3661 mortes e outras 111 mil hospitalizações, causadas pelos mais diversos tipos de acidentes, como trânsito, afogamento, sufocação, intoxicação, queimaduras e quedas.

Em geral, o tipo de acidente que mais matou crianças brasileiras foi o de trânsito, com 1190 mortes no ano, seguido por afogamentos, sufocação e queimaduras. Porém, quando analisamos o número de ocorrências dividido por faixa etária, o panorama muda.

Entre as crianças que ainda não completaram um ano, por exemplo, o acidente que mais matou foi a sufocação. Isso ressalta a importância de estar sempre atento às pequenas peças de brinquedos ou qualquer outra coisa que esteja ao alcance dos bebês e possa ser levada a boca. O número anual de mortes por sufocação entre crianças desta faixa etária é chocante: 636.

Já entre as crianças de 1 a 4 anos, o acidente mais letal foi o afogamento, com 407 ocorrências no ano. Recentemente, um caso aconteceu em nossa região. A prevenção é simples: nunca tirar os olhos das crianças quando estão perto do mar e de rios. Mais importante ainda é tomar cuidado em ambientes de piscina. É comum que esse tipo de acidente aconteça durante as refeições, por exemplo, por conta do descuido temporário com as crianças. A atenção com água deve ser constante, pois bebês na faixa dos dois meses podem se afogar até mesmo na hora do banho.

Outro tipo de acidente que pode ser facilmente prevenido é o com queimaduras. Mais de 20 mil crianças foram internadas por este motivo em 2017, segundo acidente que mais hospitalizou. É importante tomar cuidado com eletroportáteis e eletrodomésticos, escolhendo um ferro de passar com dispositivo de segurança, por exemplo. Também é preciso prestar muita atenção em panelas quentes e recipientes com água fervendo em locais com toalhas, pois é comum que as crianças as puxem.

O acidente que mais causa atendimentos e hospitalizações é a queda. Foram mais de 50 mil no ano em questão, principalmente com crianças entre 5 e 14 anos. As quedas, porém, não são tão letais, tendo em vista que de todos esses casos, apenas 66 terminaram da pior maneira.

Embora ainda seja assustador, o número de acidentes fatais envolvendo crianças no Brasil vem reduzido drasticamente nos últimos anos. De acordo com o portal Criança Segura, que apresenta números desde o começo do século, em 2001, foram 6190 mortes. Isso mostra que os pais estão se conscientizando cada vez mais, principalmente no trânsito, com o uso de cadeirinha no banco traseiro, por exemplo.