MAIS UM – Pirarucu de 73kg é fisgado no rio Marinheiro, em Cardoso

1049

Neste domingo (1º), o pescador profissional Roberto do Carmo Jesus estava pescou pela 3ª vez, um pirarucu, este agora com 73kg. Ele pegou os outros dois recentemente no ‘braço’ do rio Marinheiro, onde se encontra localizado o Condomínio Beira Rio.  Os peixes, que foram fisgados nos últimos 90 dias, pesaram 97, 89 e 73kg e 100 quilos, respectivamente.

Pirarucu na região

Segundo relatos de pescadores, a espécie teria escapado de um criadouro em Paulo de Faria (SP) entre 2010 e 2012, e se espalhado pelo Rio Grande.

A época de sua reprodução do Pirarucu ocorre de dezembro a maio, em águas rasas, onde os adultos preparam um ninho no fundo arenoso. Cada fêmea deposita cerca de 180 mil ovos em diferentes ninhos. Suas larvas eclodem ao quinto dia e nadam próximas à cabeça do pai que, nessa época, apresenta uma cor escura. Durante esse período, a proteção é garantida pela fêmea, que nada em volta do pai e dos filhotes.

O pirarucu (nome científico: Arapaima gigas) é um dos maiores peixes de águas doces fluviais e lacustres do Brasil. Pode atingir três metros e seu peso pode ir até 200 kg. É um peixe que geralmente é encontrado na bacia Amazônica, mais especificamente nas áreas de várzea, onde as águas são mais calmas.

Contudo, costuma viver em lagos e rios de águas claras e ligeiramente alcalinas com temperaturas que variam de 24 a 37 °C, não sendo encontrado em zona de fortes correntezas e águas ricas em sedimentos.

É conhecido também como o bacalhau da Amazônia. Seu nome se originou de dois termos tupis: pirá, “peixe” e urucum, “vermelho”, devido à cor de sua cauda.