Funcionários do Santa Cruz adotam cães abandonados

628

 

Funcionários da Rede de Supermercados Santa Cruz de em Votuporanga passaram a cuidar de cães abandonados que foram aparecendo em uma de suas lojas. Ao total são 8 animais que estão recebendo alimentação e cuidados médicos.

Os cães ficam em uma área que fica ao fundo de uma das lojas e um funcionário foi designado para oferecer os cuidados especiais, como: alimentação, água, abrigo, medicação, etc.

Votuporanga

Recentemente foi inaugurada, segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, a primeira fase da construção do Recanto dos Focinhos. Local com capacidade para abrigar 250 animais, sendo 200 cães. Localizado às margens da Estrada Municipal VTG 342, próxima ao Centro de Zoonoses, no 6º Distrito Empresarial, o local recebeu até agora R$ 1.300.000,00 de investimento, entre a aquisição do terreno e a construção do local. “A obra se encontra em obra final em andamento, mas ainda não existe uma data prevista para o funcionamento”, segundo a Prefeitura.

EXEMPLO – Centro de acolhimento oferece tratamento para animais vítimas de abandono e maus-tratos em Olímpia

Apenas os animais resgatados das ruas, que não tenham tutores e que estejam em situação de risco, são admitidos no local. Após receberem atendimento veterinário, cães e gatos são colocados para adoção.

 

Animais ficam separados por baias em Olímpia — Foto: Reprodução/TV TEM

 

Um centro de acolhimento está oferecendo tratamento para cães e gatos vítimas de abandono e maus-tratos em Olímpia (SP). O prédio, que leva o nome do santo protetor dos animais, São Francisco, foi finalizado e inaugurado neste ano.

No local, são acolhidos apenas os animais resgatados das ruas pela Superintendência de Água, Esgoto e Meio Ambiente da Estância Turística de Olímpia (Daemo Ambiental), que não tenham tutores e que estejam em situação de risco.

O prédio é composto por 36 baias com capacidade para abrigar até 100 cães e gatos. Os espaços são divididos em áreas abertas e cobertas, com disponibilidade de sombra e ambiente.

No interior do centro de acolhimento existe a parte física composta por ambulatório com salas para higienização, atendimento, curativos e anamnese, além de sala cirúrgica para pequenos procedimentos e de repouso para animais debilitados ou em tratamento.

Os animais são cuidados por uma equipe formada por dois médicos veterinários, um atendendo em regime de plantão, além de estagiários, funcionários do setor administrativo e também de limpeza.

Antes, eles passam por triagem com médico veterinário para avaliar se vão para as baias, em caso de boa saúde, ou se permanecem em tratamento no ambulatório.

Aqueles que vão para as baias passam por um processo de socialização. A definição se dá primeiro pelo critério de afinidade e também pelo porte. Os agressivos ficam em baias isoladas.

Já as cadelas resgatadas das ruas com ninhada também ficam em baias isoladas com os filhotes até o desmame. Após esse período, os filhotes vão para adoção e as mães são colocadas com outros animais adultos depois da castração.