FIM DOS SONHOS?  DJ Lukinha fala sobre a crise do setor de entretenimentos

1998
DJ Lukinha atua no mercado de festas há 20 anos (Foto Mandy Ferreira)

Há 20 anos na área de festas, Lucas Alonso, o DJ Lukinha falou ao Diário sobre o drama que vem enfrentando desde que começou a pandemia do coronavírus.

Ele conta que é a primeira vez que passa por isso em toda sua carreira. “A pandemia não afetou só a gente, mas todos, uns com mais gravidade, outros menos, mas nós que pertencemos ao ramo de eventos estamos sofrendo muito. Estamos parados desde março, o último evento aconteceu no dia 8 daquele mês, daí pra frente todos foram cancelados ou remarcados, estávamos com a agenda lotada para este ano, mas como existiam algumas datas livres para 2021, acabamos por remarcá-las e isso causou um tumulto na agenda do ano que vem que ficou praticamente lotada. Não sabemos o que vai ser de 2021, pode acontecer de não termos uma vacina até junho do ano que vem e não ser permitida a aglomeração de pessoas”.

“Está muito complicado, investi em muitos equipamentos novos no final do ano passado, inclusive usei um deles apenas duas vezes, uma novidade incrível que apenas algumas empresas a possuem no Brasil e agora tudo parado. Está muito difícil, ainda damos conta de nos manter, de segurar a onda por um tempo, mas existem muitas famílias sofrendo, passando dificuldades no ramo de eventos, como garçons, floristas, decoradores, músicos, Djs, equipes de segurança, cerimonialistas. Para se ter uma ideia, num casamento ou uma festa de 15 anos, em média, são 12 profissionais envolvidos, fora a equipe de cada um, eles se reúnem para realizar sonhos.”

“Quero aproveitar e pedir para as autoridades que olhem pra gente com um pouco mais de atenção, estamos sem previsão de volta, não existe uma luz no final do túnel pra gente.”