Fernando Azevedo e Silva pede demissão do Ministério da Defesa

220

É a segunda baixa desta segunda-feira (29) do governo de Jair Bolsonaro. Mais cedo, Ernesto Araújo também anunciou saída.


O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, pediu demissão do cargo em nota divulgada nesta segunda-feira (29). “Saio na certeza da missão cumprida”, afirmou. 

“Agradeço ao presidente da República, a quem dediquei total lealdade ao longo desses mais de dois anos, a oportunidade de ter servido ao país, como Ministro de Estado da Defesa. Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado”, disse Silva. 

“O meu reconhecimento e gratidão aos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, e suas respectivas forças, que nunca mediram esforços para atender às necessidades e emergências da população brasileira. Saio na certeza da missão cumprida”, acrescentou. 

A saída de Azevedo e Silva é a segunda baixa do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) apenas nesta segunda-feira. Mais cedo, Ernesto Araújo pediu demissão do comando do Ministério das Relações Exteriores. 

Integrante da chamada ala ideológica do governo, o chanceler estava no cargo desde o início da atual gestão, mas não resistiu à pressão, inclusive do Centrão, que apoia o Palácio do Planalto, em razão da política diplomática durante a pandemia de covid-19. 

Azevedo e Silva, por sua vez, foi nomeado para o cargo de ministro da Defesa também no início da gestão de Bolsonaro. Foi chefe do Estado Maior do Exército e comandante da Brigada Paraquedista antes de ir para a reserva. 

Na carta divulgada nesta segunda, o agora ex-ministro não justificou o pedido de demissão. Auxiliares diretos de Azevedo foram pegos de surpresa com a notícia e não sabem se o general irá para o Itamaraty, posto aberto com a saída de Araújo. “Estava numa reunião fora do ministério quando recebi a nota da demissão. Cheguei a ligar lá para saber se era fake”, afirmou um auxiliar.