Empresário de Fernandópolis comprou 40 lotes da Santa Casa a preço de ‘banana’, informa site Região Noroeste

2536

É o que informa o site daquela cidade Região Noroeste. Na matéria diz o empresário J. S. J. atual presidente da Associação de Amigos do Município de Fernandópolis, deve responder pelo crime de peculato, em uma investigação promovida pela Policia Seccional de Fernandópolis que analisa as contas e possíveis crimes cometidos por ex-provedores que administraram a Santa Casa de Fernandópolis.

J.S.J. teria comprado 40 lotes do Residencial Liana, que pertenciam a Santa Casa, por uma bagatela de R$ 6.7 mil reais, quando na realidade cada um estava sendo avaliados em aproximadamente R$ 30 mil reais.

Os lotes foram vendidos na gestão de um ex-provedor, sucessor de J.S.J.  que continuou no quadro de conselheiro da entidade e não poderia ter se beneficiado na compra dos lotes por infringir o Estatuto da Irmandade.

Os 40 lotes foram adquiridos por uma firma empresário, que tem outros sócios ligados ao empreendimento, explica o site.

Os terrenos que eram da Santa Casa foram vendidos por um valor 77% menor que a cotação de mercado ocorrido em 2011. A diferença em reais pode chegar à casa de R$ 1 milhão de reais, dinheiro que deixou de entrar nos cofres da entidade e poderia ter salvado dezenas de vidas.

Segundo o site, o inquérito deve ser enviado nos próximas semanas a Justiça de Fernandópolis que deverá decidir se o empresário será indiciado e, consequentemente, ter que devolver o dinheiro aos cofres da Santa Casa, com juros e correção monetária.

O delegado Ailton Canato, que investiga o caso, ouviu na semana passada alguns membros da comissão formada na época para vender os lotes, mas o que causa estranheza, egundo o Região Noroeste, é que existe a possibilidade da avaliação que chegou a R$ 6.750,00 teria sido feitas antes da decisão de vender os terrenos.

“A dúvida é: Será que os membros da comissão, conselho fiscal e conselho administrativo que concordaram com a venda a preço de banana devem responder solidariamente ao ex-provedor J.S.J.?”, questiona  o site.