Doria reúne José Sarney, Michel Temer e FHC em ato pró-vacina contra Covid-19 

256

Ex-presidentes destacaram a importância da vacinação e revelaram nunca terem visto ‘nada parecido’. Fernando Collor, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff se recusaram participar.


O governador do Estado de São Paulo, João Doria, reuniu no Palácio dos Bandeirantes os ex-presidentes José Sarney (1985-1990), Michel Temer (2016-2019) e Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) em um ato a favor da vacinação contra a Covid-19 no dia do aniversário da cidade de São Paulo. Doria destacou que convidou também os ex-presidentes Fernando Collor, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff — que recusaram participar.

Todos os presentes destacaram a importância da imunização e afirmaram que nunca viram nada parecido antes. Governador destacou que ato não era político, mas institucional. “Para a valorização da vida, da existência, da saúde e da proteção do povo brasileiro. É o grande sentido que nos une aqui.” 

De forma virtual, Sarney lembrou que participou, há 30 anos, de um seminário em Shangai que discutia as ameaças do futuro da humanidade. “A grande ameaça sobre o futuro da humanidade era, sem dúvida, a ocorrência de doenças desconhecidas. Estamos vivendo, agora, um perigo da realização dessa profecia com a terrível pandemia causada pelo coronavírus — pela qual não encontramos, até agora, nenhum tratamento.” De acordo com ele, a vacinação deve ser feita com espírito de solidariedade, união de todos e com a colaboração do povo. “Hora de juntarmos esforços para dizer a população brasileira para colaborar com as autoridades sanitárias e os governos”, disse. 

Também de forma remota, Michel Temer corroborou o discurso de José Sarney e destacou a simbologia do encontro. “A ideia de que todos devem unir-se para, juntos, combater o coronavírus.” O ex-presidente acrescentou que “a vida é algo que se vai, mas não volta” enquanto a economia “pode ter dificuldades, mas se recupera”, completou. Ele ainda reforçou que está na fila, esperando a sua vez para vacinar-se. E, assim que o momento chegar, fazer com “muita tranquilidade e a certeza que isso poderá ajudar a preservar a vida”. Michel Temer aproveitou a oportunidade para agradecer e parabenizar o Instituto Butantan, à Fiocruz, à Anvisa e lamentou os óbitos pela Covid-19. 

O único que compareceu de forma presencial ao Palácio dos Bandeirantes foi Fernando Henrique, que lembrou da preocupação dos seus pais com a gripe espanhola em 1918. “Nunca vi coisa semelhante com o que assistimos agora. Me lembro da Segunda Guerra Mundial e nada comparado com o que acontece agora. Esse vírus não perdoa idade ou classe social. Ele mata. E a defesa que temos até agora é a vacina.” O ex-presidente destacou que é difícil ficar em casa — mas tem tentado. Ele lembrou dos que não tem casa, prestou solidariedade ao mais necessitados e também aos profissionais da área da saúde que trabalham em defesa da vida. 

*Com informações jovempan