Divergência deixa grupo de veterinários sem vacinação contra Covid em Votuporanga

493

No final de semana do plantão, nos dias 6 e 7 de fevereiro, foram impedidos devido uma documentação que segundo os profissionais é desobrigada para parte da categoria; Prefeitura esclarece que nova circular do Ministério da Saúde informa que grupo não é mais prioritário.


A Prefeitura de Votuporanga/SP realizou plantão nos dias 6 e 7 de fevereiro para vacinar profissionais da saúde contra o Covid-19, nesse grupo, entre diversas categorias estavam os veterinários e seus auxiliares, porém, divergências no entendimento fez com que alguns fossem vacinados e outros barrados na fila.

Segundo os profissionais entrevistados, de aproximadamente 12 clínicas instaladas no município, pelo menos nove não tiveram veterinários e auxiliares imunizados contra o coronavírus.

Ao Diário de Votuporanga, a médica veterinária Dayane Lemos, explicou: “Eles pediram carteirinha do conselho veterinário, holerite, inscrição municipal e o alvará da Vigilância Sanitária, mas existe uma determinação que desobriga esse registro da Vigilância Sanitária. Por exemplo, estou completamente regularizada e não possuo. Essa exigência é para quem possui um aparelho de Raio X na clínica, não é meu caso e de vários outros profissionais. Inclusive, uma clínica credenciada pela prefeitura, que castra os animais para a prefeitura e o médico veterinário foi impedido. Não estamos falando de ninguém irregular, estamos falando de profissionais devidamente regularizados, então, não faz sentido”.

Outro profissional de saúde animal explicou o que passou no dia em que atendeu a convocação da prefeitura e procurou a vacina: “Nós fomos impedidos de tomar [a vacina], eles escolheram quem tinha cadastro na Vigilância Sanitária. Acontece que no estado de São Paulo, para você abrir uma clínica veterinária, hoje, não precisa ter alvará sanitário da Vigilância. Só precisa ter esse cadastro de você tiver um aparelho de Raio X na clínica, por exemplo, o que não é o caso de muitos; isso é só um detalhe, na prática, como veterinários somos trabalhadores da área da saúde como qualquer outro”, detalhou o médico veterinário João Brotos. 

“A gente não furou fila, aguardamos a nossa vez e fizeram isso. Quando os profissionais de saúde estavam estafados no final da primeira onda, fomos convocados para fazer cursos e ajudar, mas quando é para nos vacinar é diferente, aí fazem isso. É a revolta de uma classe”, completou Dayane Lemos.  

Outro lado

Procurada pelo Diário de Votuporanga, a Prefeitura informou em nota as alterações quanto à orientação do Ministério da Saúde, relacionadas ao novo critério de vacinação como reza circular de 12 de março de 2021A Secretaria da Saúde informa que segue determinação do Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, com relação aos grupos prioritários para receber a vacina da Covid-19. Segundo Ofício Circular 57/2021 do Ministério endereçado aos Secretários Estaduais de Saúde, Conselho Nacional de Saúde, Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e Conselhos das Secretarias Municipais de Saúde, profissionais que atuam em estabelecimentos de saúde animal, entre outros, não serão contemplados nos grupos prioritários elencados inicialmente para a vacinação.”