Família que reside na Itália conta sua experiência por lá

534

Daniel Fernando Gonçalves é casado com Stella Mayara Leão Lima Gonçalves e eles tem um filho de 7 anos, o Daniel Fernando Gonçalves Filho. Eles moram em Chivasso, Província de Turim na Itália. Daniel é filho de Durval Gonçalves de Deus (in memorian) e de Maria Madalena Calgaro Gonçalves, que reside na Vila Paes em Votuporanga. Já Stella, é filha Deolindo Rocha Lima (Parisi) e de Ivone Leão Pereira, que reside no Bairro San Remo, em Votuporanga.

Neste final de semana Daniel conversou com Diário. Ele contou que sua família reside naquele país há 3 anos e que ele exerce a função de Técnico Eletromecânico. “Moramos a 20 quilômetros de Turim. No começo foi igual ao que está acontecendo no Brasil nesta semana. Ficava aquela discussão, se fechava ou não o comércio ou se a população iria realizar a quarentena, todos se preocupavam, mas ainda não existia uma onda de medo como agora. Há um mês os shoppings e os centros comerciais estavam todos lotados, tudo completamente normal. Mas aí a coisa começou a agravar. O problema que acontece hoje aqui são as superlotações dos hospitais, existem muitos pacientes com problemas respiratórios, que abarrotando as alas e as UTIs dos hospitais; então começou faltar socorro para outros tipos de patologias, mas faltam respiradores”.

“Hoje, aqui na Itália, para ir ao mercado somente um familiar pode entrar. Na porta é medida a temperatura da pessoa e dentro do local tem que respeitar a distancia de 1,5 metros das pessoas. As aulas estão suspensas e as atividades para os alunos são todas on line. Obedecemos a ordem de ficar em casa. Se precisar sair temos que levar ‘una autocertificazione’, um documento que preenchemos antes de sair de casa para explicar onde estamos indo e para apresentar numa possível abordagem da Policia. Se eu não estiver indo para um hospital, farmácia, mercado ou para o meu médico de família, a multa gira em torno de 200 a 3000 euros e ser existir reincidência pode acarretar em detenção”, explica Daniel.

“Estamos acompanhando tudo o que está acontecendo no Brasil. Eu acho muito complicado para os autônomos ou comércio te que ser fechado, mas falar que é uma simples gripe, não é. O contágio dessa doença é muito rápido, um exemplo, as pessoas afirmam, `esta é uma guerra política, muito alarde’. Mas não é não! Os hospitais aqui estão muito abarrotados com muita gente internada. A gente mora perto de um Hospital, daqui a gente consegue ver pela janela as UTIs, e elas estão completamente lotadas e falta atendimento para outras patologias. Eu espero que o Brasil não chegue à situação que estamos vivenciando hoje aqui, um verdadeiro caos”, conta.

“A minha esposa trabalha na Amazon de Turin com uma amiga. O irmão desta amiga testou positivo para o coronavírus e a sua família teve que entrar em quarentena Agora hoje (segunda-feira, 30) a minha esposa teve que informar o nosso médico de família e provavelmente vamos ter que entrar em quarentena também, já que até sexta-feira passada ela estava indo trabalhar com essa moça. Vamos ficar de 14 a 15 dias sem sair de casa, isolamento 100%, nem para ir ao mercado ou qualquer outro local.”

Daniel encerra sua entrevista e implora a todos os brasileiros: “Devemos enfrentar essa situação com prudência e fé, adotando e respeitando as medidas de prevenção, evitando aglomerações de pessoas, pois o inimigo é silencioso. Com fé em Deus superaremos essa pandemia.”