Chandelly convoca Frente Parlamentar para cobrar imunização contra COVID-19 à veterinários

169

Vereador explicou que parte dos profissionais não foram vacinados e que pretende levar o caso ao conhecimento do Ministério Público. “Somente alguns veterinários foram vacinados, outros não. O direito é de todos”, disse Chandelly.


Um grupo de médicos veterinários foi impedido de receber a vacina contra a Covid-19 durante um plantão de imunização realizado pela Prefeitura de Votuporanga/SP, nos dias plantão nos dias 6 e 7 de fevereiro. Ação tinha como foco, vacinar profissionais da saúde de diversas frentes, entre eles os veterinários; contudo, por divergências, parte dos trabalhadores foram barrados na fila. 

O assunto foi retratado em matérias do Diário de Votuporanga e na última segunda-feira (5), durante sessão ordinária da Câmara, o vereador Chandelly Protetor (Podemos) provocou um debate sobre a questão de vacinação aos profissionais veterinários que não receberam a imunização. 

Segundo o vereador, eles estão na lista de prioridade do Governo do Estado, mas o município de Votuporanga ainda não completou a vacinação desta categoria profissional, o que segundo Chandelly é de direito dos profissionais e pretende levar o caso ao conhecimento do Ministério Público. “Somente alguns veterinários foram vacinados, outros não. O direito é de todos”, disse Chandelly. 

De acordo com o parlamentar, o decreto estadual determina que os profissionais veterinários têm direito de receber o imunizante, mas que apenas alguns receberam doses no município. Ele pediu o empenho da Frente Parlamentar contra a Covid-19 para apurar esse assunto. 

Procurada pelo Diário de Votuporanga, à época, a Prefeitura informou em nota as alterações quanto à orientação do Ministério da Saúde, relacionadas ao novo critério de vacinação como reza circular de 12 de março de 2021: “A Secretaria da Saúde informa que segue determinação do Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, com relação aos grupos prioritários para receber a vacina da Covid-19. Segundo Ofício Circular 57/2021 do Ministério endereçado aos Secretários Estaduais de Saúde, Conselho Nacional de Saúde, Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde e Conselhos das Secretarias Municipais de Saúde, profissionais que atuam em estabelecimentos de saúde animal, entre outros, não serão contemplados nos grupos prioritários elencados inicialmente para a vacinação.”