Butantan diz que CoronaVac é eficaz contra variantes do Covid-19

338

Pesquisa realizada em parceria com a USP demonstra que imunizante é eficiente para três variantes em circulação no país.


O governo de São Paulo e o Instituto Butantan anunciaram, nesta quarta-feira (10), uma nova pesquisa que comprova a eficiência da vacina do Butantan contra as novas variantes do coronavírus. O estudo foi realizado em parceria com a USP (Universidade de São Paulo), no ICB (Instituto de Ciências Biomédicas) 

A pesquisa atesta que a vacina do Butantan é eficaz contra as três novas variantes que circulam no Brasil. “A vacina do Butantan imuniza os vacinados contra as novas variantes da Covid-19. Essa é mais uma comprovação da qualidade desta vacina, que hoje imuniza nove em cada dez brasileiros em todo o país”, disse Doria. 

Estudos preliminares, realizados pelo Instituto Butantan em parceria com a USP, em pessoas vacinadas, demonstram que a Coronavac é capaz de neutralizar variantes do novo coronavírus. Os dados incluíram amostras de 35 participantes vacinados na Fase III. O estudo completo inclui um número maior de amostras, que estão em análise. 

De acordo com o instituto, as vacinas compostas de vírus inativado, como a produzida pelo Instituto Butantan, possuem todas as partes do vírus. Isso pode gerar uma resposta imune mais abrangente em relação ao que ocorre com outras vacinas que utilizam somente uma parte da proteína Spike (proteína utilizada pelo coronavírus para infectar as células). “A vacina do Butantan tem essa vantagem em relação às demais, pois pode levar a uma proteção mais efetiva contra as variantes que apresentam mutação na proteína Spike”, explicou Dimas Covas, diretor do Butantan.  

Segundo o governo, outra característica da vacina inativada do Instituto Butantan é que ela consegue ter uma proteína Spike completa. As vacinas que têm fragmentos menores desta proteína têm menos chances de ser eficaz contra as novas variantes. 

Nos testes realizados pelo Instituto Butantan são utilizados os soros das pessoas vacinadas (colhido por meio de exame de sangue). As amostras são colocadas em um cultivo de células e, posteriormente, infectadas com as variantes. A neutralização consiste em testar se os anticorpos gerados em decorrência da vacina vão neutralizar, ou seja, combater o vírus nesse cultivo.