35% das pessoas veem Doria como principal responsável pela vacinação

137

Mais de 37% consideram governador paulista também como o político que mais trabalhou em defesa da saúde. Bolsonaro recebeu 27,8% das respostas, ficando então em segundo lugar.


O número de brasileiros que consideram o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), como o principal responsável pela vacinação contra a covid-19 no Brasil corresponde a 35,5% do total e supera, assim, a quantidade daqueles que atribuem o posto ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), de acordo com uma pesquisa – estimulada – divulgada nesta segunda-feira (13) pelo Instituto Paraná. Bolsonaro recebeu 27,8% das respostas, ficando então em segundo lugar.

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparecem com 5,2% e 3,3% das respostas, respectivamente. A pesquisa ouviu 2 mil pessoas entre 1º e 5 de setembro. Do total, 18,4% não souberam ou não quiseram opinar, e 8,9% não escolheram nenhuma das opções dadas.

Entre as mulheres, Doria (38,7%) foi o mais apontado. Já entre os homens, o vencedor foi Bolsonaro (33,2%). O levantamento dividiu o público ainda em cinco faixas etárias e três graus de instrução; em todas as divisões, o governador paulista aparece em primeiro lugar, e o chefe do Executivo federal, em segundo. Doria se destacou mais entre os jovens de 16 a 24 anos, com 44,2% das respostas, e entre as pessoas com Ensino Superior completo, levando 36,7% do total.

O Instituto Paraná perguntou também quem havia sido o político que mais trabalhou em defesa da saúde na pandemia; 37,8% citaram João Doria. Bolsonaro vem na sequência, tendo sido apontado por 26,9% das pessoas. O governador de São Paulo foi responsável por viabilizar a produção e aplicação da vacina chinesa CoronaVac no Brasil. O Governo Federal, por sua vez, apostou primeiramente apenas no imunizante Oxford/AstraZeneca. Desde o ano passado, porém, o presidente faz declarações contrárias à CoronaVac ou desqualificando a eficácia da substância.

*Informações/sbtnews