Tite confirma volta de Neymar, não anuncia quem sai do time e prepara mais mudanças

176
Tite, técnico da seleção brasileira, em entrevista coletiva — Foto: Reprodução

Técnico participa de entrevista coletiva antes da partida contra a Colômbia neste domingo e, pela primeira vez, trata o Brasil como “virtualmente classificado” para a Copa do Catar.


O técnico da seleção brasileira masculina, Tite, falou pela primeira vez que o Brasil está classificado para a Copa do Mundo do Catar. Na verdade, foi um pouquinho cauteloso na expressão. Tratou como “virtualmente classificado”, com 27 pontos, na liderança das Eliminatórias.

Contra a Colômbia, neste domingo, a Seleção pode chegar aos 30, pontuação mais alta já obtida por um quarto colocado no sistema de pontos corridos das Eliminatórias – veja mais abaixo todos classificados em na última vaga direta desde 1998.

Em entrevista coletiva neste sábado, Tite também confirmou que Neymar volta ao time em Barranquilla, mas ainda não anunciou quem sai da equipe. Ele pode sacar um dos dois atacantes – Gabriel Barbosa ou Gabriel Jesus – ou retirar um dos meias – Gerson, Lucas Paquetá ou Everton Ribeiro.

– Retardamos um pouco a entrevista porque são 66h de recuperação. Nosso trabalho não permite poupar ninguém, mas ter atletas em totais condições para o jogo. Neymar volta, sim, mas não vou antecipar. Tem outras modificações para acontecer. No último jogo tivemos fuso horário de 7h para muitos atletas. Não é desculpa, mas tem oscilação provocada por isso no desempenho. Imagina você toma café, almoça, tudo desregulado… Mas agora vamos premiar atleta totalmente recuperados – comentou o treinador.

Tite volta a comandar treino em campo nesta tarde de sábado, agora em Barranquilla. A atividade está marcada para às 18h de Brasília, no estádio Metropolitano Roberto Meléndez, palco do jogo de domingo.

Colômbia e Brasil se enfrentam com objetivos diferentes. Os colombianos precisam da vitória para sair da zona de repescagem – estão em quinto lugar, com 14 pontos. São 13 a menos do que o Brasil. O líder, com 100% de aproveitamento, vai tentar a décima vitória seguida. O duelo é válido pela 5ª rodada das Eliminatórias e acontecerá às 18h de Brasília.

Tite lembrou do duelo contra a Colômbia na Copa América, quando o Brasil virou a partida no fim, num jogo nervoso, com sete cartões amarelos e com gol nos acréscimos de Casemiro – ausente dessa convocação.

– A grandeza dos jogos Brasil x Colômbia trazem qualidade, competitividade. Último jogo excedeu (na disputa e agressividade), mas não é o padrão. São duas equipes com qualidade técnica. Nossa fase é de não estar classificado matematicamente, mas virtualmente, e pode estar matematicamente nesta rodada. Dificuldade é bastante grande, oportunidade para atletas jovens. Fase que estamos, processo que estamos. Dentro desse processo, dar rodagem para esses jovens. Campo fala. Alguns momentos bons, outros momentos irregulares, mas conseguir resultado final, que é muito difícil. Por isso o reconhecimento.

Além do retorno de Neymar, é possível que o treinador dê novas oportunidades a jogadores que entraram bem na última partida, contra a Venezuela, como Raphinha, o melhor em campo, ou Antony, autor de um gol.

Veja mais da coletiva de Tite:

Avaliação das Eliminatórias

– É bastante abrangente a pergunta. São fases de estruturação, composição da equipe. Iniciam-se as Eliminatórias com desempenho, resultado para classificação. Nessa fase, a gente começa a ter oportunidade para jovens que estão na seleção olímpica e vão se consolidando nas suas equipes. Nessa oportunidade, o técnico às vezes não tem o melhor desempenho em campo, por vários fatores. Aí os atletas que estão fora entram, o desempenho cresce, e aí alterna desempenho, mas mantém solidez. Para que faça gols. Numa fase sequente, para que tenha uma base, um grupo formado, e aí se preparar especificamente para a Copa do Mundo. Essa é a ideia.

Preocupação com Luis Díaz

(Cesar Sampaio) – Reconhecemos a qualidade técnica do adversário. Fez o gol mais bonito da Copa América. É uma das forças. Temos nosso equilíbrio. Objetivo era a criação e finalização e conclusão. Trabalhar nesses fatores e sem perder solidez. É uma das forças, um dos jogadores que temos que ter muita atenção. Treinamos para isso, temos nosso modelo. Cada jogo pede uma especificidade ofensiva e defensiva. Esperamos que possamos neutralizá-lo e com segurança defensiva

Falta de grandes jogadores, como Casemiro e Cuadrado

– Uma seleção brasileira não pode, com todo respeito a todos que ficam fora, e me cobro em relação a isso, tratar de falta… Temos que ter capacidade suficiente e atletas para que possam produzir bem. Serve para o Brasil, para a Colômbia. Tem que dar tranquilidade ao Fabinho, que vai ter sequência.

(César) – Cuadrado é referência, reposições são sempre à altura, na nossa preparação a gente está bem atento a possíveis alterações. Temos que respeitar, equipe qualificada, na Copa América vencemos na última ação do jogo. Esse próprio jogo remete a 100% da nossa atenção. Jogo de estratégia pesada, contra treinador histórico, com passagem no Brasil, conhece o futebol brasileiro. Esperamos jogo forte, Cuadrado é peça importante, mas Colômbia não vem fragilizada.

Equilíbrio defensivo

– Quando faz pressão alta nessa ação, 4-1-3-2, Gerson, Fred, Edenilson, trabalhando por dentro e dois atacantes mais centralizados. Quando vem de pressão média, continua assim. Se essa bola entra na fase defensiva, a linha de três se alinha e fica com duas linhas de quatro e dois atacantes centrais. Essa é a ideia.

Principais desafios

– Fases e etapas sabemos muito bem, tem consciência do processo todo. Esse processo, a gente oportuniza atletas jovens, oscilação no jogo acontece. É inevitável que tenha e é importante que tenha dado essas oportunidades a esses atletas. Compete a nós corrigir no jogo. Com pouco tempo de treinamento, entrosamento. Por mais que você tem a referência do que acontece no clube. Mas surpreende às vezes, como aconteceu o desempenho do Arana, Raphinha, Antony. É surpreendente, não é o padrão. Mas o contexto todo, uma equipe já pré-classificada, espírito dos atletas mais experientes, dão condições para os mais jovens. Esse é o processo para começar a definir a equipe e trabalhar para a Copa do Mundo. Esse é o estágio que a gente está.

Mais testes?

– Eu não gosto de usar o termo teste. Mas entendo e coloco como oportunidade. Atletas, com nível que têm, já estão testados suficientemente no seus clubes. Competem de forma leal. Casemiro não está aqui, mas Fabinho está jogando. Eu fomento esse tipo de competição de forma leal.

(César) – Lógico que esses atletas que vêm com título olímpico trazem essa boa performance como segurança. Tite, numa das últimas reuniões, de quanto performance positiva na olimpíada pode amenizar essa estreia. E no último jogo, Antony acabou não só participando, mas fazendo gol. Arana estreou, mas parecia que já tinha minutos. Brasil ganha muito com isso, a gente fica muito feliz com esse momento. Tite tem máxima de não mexer muito na equipe, porque uma equipe muito alterada pode perder a conexão. A gente tem esse cuidado, estamos felizes com as opções.

Veja abaixo a pontuação dos quartos colocados das Eliminatórias no sistema de pontos corridos:

  • 2018: Colômbia – 27 pontos
  • 2014: Equador – 25 pontos (Brasil não disputou, por ser sede)
  • 2010: Argentina – 28 pontos
  • 2006: Paraguai – 28 pontos
  • 2002: Paraguai – 30 pontos
  • 1998: Chile – 25 pontos (Brasil não disputou, por ser o último campeão)

*Informações/ge