Sorveteiro votuporanguense que vendeu 3 mil picolés após ter energia cortada faz queixa por foto usada em golpe na internet 

698

Luís Augusto Demori, registrou boletim de ocorrência por injúria e difamação. Em agosto do ano passado, ele gravou um vídeo emocionado depois de ter a energia elétrica cortada por falta de pagamento e recebeu ajuda de centenas de pessoas.


O drama enfrentado pelo sorveteiro Luís Augusto Demori, de 42 anos, em agosto do ano passado, que teve o fornecimento de energia elétrica cortado por falta de pagamento e, resultou na venda de mais de 3 mil picolés após à publicação de um vídeo emocionado nas redes sociais pedindo ajuda para vender os produtos; mas, meses depois o caso ganhou continuação quando o comerciante registrou um boletim de ocorrência por injúria e difamação na Delegacia de Polícia de Votuporanga/SP. 

Em grupos de uma rede social, circulam um vídeo onde Demori explica que pessoas desconhecidas estão usando sua fotografia em um anúncio para aplicar golpes em internautas interessados em comprar máquinas usadas na produção de sorvetes. 

“Participo de um grupo de sorveteiros. Um amigo entrou em contato avisando que tinham mandado um print de uma conversa com a minha imagem nesse grupo. Entrei no grupo e vi um participante alertando que uma pessoa tinha caído em golpe na Bahia. A pessoa está usando a minha imagem e a minha história para aplicar golpes”, explica Luís Augusto. 

O golpe na web é composto por um anúncio direcionado para empresários da área produtora de sorvetes, no caso, o golpista oferece uma máquina produtora, dez carrinhos e mais dez formas extratoras de picolés por R$ 3,5 mil. O preço extremamente baixo se torna atrativo, pois os valores reais são muito maiores. 

Demori contou que ficou extremamente chateado e preocupado com a situação, o que resultou no registro do boletim de ocorrência: “A coisa está difícil. Vou ter de fechar a sorveteria se nada que estou tentando der certo. Se eu precisar vender tudo e ir embora, vou sair de cabeça erguida. Quando precisei, todos me ajudaram. Não preciso roubar ou praticar estelionato para conseguir dinheiro. Posso morar embaixo da ponte, mas cometer crime não cometo”.  

Solidariedade

Em agosto de 2020, em menos de três de três horas, Luís vendeu mais de 3 mil picolés e todo o estoque de sorvete de massa para uma longa fila se formou na frente de sua sorveteria em Votuporanga/SP. 

O despertar, foi um vídeo emocionado onde ele contava que o fornecimento de energia elétrica havia cortado, por falta de pagamento; o risco era iminente dos produtos simplesmente derreterem, aumentando ainda mais seu prejuízo. 

O vídeo viralizou com ajuda das redes sociais e até da imprensa, o resultado que o sorveteiro não imaginava era que os moradores de Votuporanga se comoveriam com a história e lotariam seu estabelecimento, inclusive formando uma grande fila do lado de fora.

“Vendi tudo e não acreditei. Ainda existem pessoas de bom coração. Além dos clientes, o pessoal me ajudou, me deu dinheiro, R$ 100, R$ 200. Ainda existem pessoas boas e dispostas a ajudar, mesmo em uma crise dessa. Não tenho palavras para agradecer”, contou Luís à época em entrevista. 

Depois de receber o apoio da população, o sorveteiro viu, literalmente, uma luz em seu negócio. Ele, que já tinha entrado na Justiça, conseguiu uma liminar a seu favor. A energia elétrica de seu estabelecimento, então, foi religada novamente.  

*Com informações g1