SOBRIEDADE JÁ – GRATIDÃO…

1858

Sempre quando estou para escolher um tema para esse espaço tento trazer alguma coisa de experiências pessoais ou de terceiros e isso ajuda a decidir.

Quem conhece o Novo Sinai, sabe que moro dentro da comunidade e tenho um convívio direto com os acolhidos.

Um tempinho atrás, num domingo à noite, na hora em que eu cheguei em casa, tinha uma carta debaixo da minha porta, era de um acolhido. É uma pena você não poder estar vendo esta carta, ela tinha erros de português, muita falta de concordância, típica de alguém que não teve oportunidade de estudar, de alguém que a droga roubou toda a chance de alfabetização, a chance do mínimo para uma vida digna, mas tinha algo extremamente valioso ali: tinha gratidão!

Naquelas duas páginas de letras quase ilegíveis, tinham a sinceridade de alguém que depois de morar na rua, de se consumir no crack, estava tendo a oportunidade de reescrever sua vida e estava ali agradecendo por isso, estava sendo grato por isso.

Fiquei muito feliz e na segunda-feira de manhã eu que fui agradecer a ele pela carta, fui dar um abraço, (fato ocorrido antes da pandemia), e senti que a vida podia ter tirado quase tudo, mas não tinha tirado esse valor: ser grato!

Gratidão é muito mais do que dizer “muito obrigado”. Aliás, às vezes nem é necessário palavras; um olhar pode expressar sim nossa gratidão.

Nós não ouvimos, por exemplo, um animal dizer “obrigado”, mas a gratidão deles, as vezes é nítida para quem observa de maneira mais demorada. Com certeza você está lembrando agora do seu cachorrinho, do seu gato, que te agradece simplesmente porque você voltou para casa; aquele abanar do rabo, aquele latido, ou aquele olhar que transmite gratidão. Aliás, o Roberto Carlos e o Erasmo Carlos cantaram isso de forma poética e muito bonita: “eu cheguei em frente ao portão, meu cachorro me sorriu, latindo.”

Acontece que nem sempre palavras significam aquilo que realmente estamos sentindo.

A gratidão consegue externar, quando sincera, o que verdadeiramente existe no interior de quem consegue ser grato.

Dizem que a gratidão é o tesouro dos humildes.

No entanto, infelizmente a gratidão é um dos sentimentos que mais tem memória curta.

Penso que ser grato, pensar em agradecer, é algo que passa muito rápido; eu penso em agradecer, penso em ser grato, mas passa e acabo esquecendo, acabo não agradecendo.

A gratidão está no lado extremo da vingança.

A maioria de nós se apressa muito mais em retribuir o mal com o mal, do que estar atento à imensa maioria de coisas positivas que acontecem no dia-a-dia, principalmente coisas que nos acontecem motivadas por pessoas que estão ao nosso lado, coisas que só acontecem porque pessoas do nosso lado promoveram isso.

Quanta gente potencializa através dos comentários nesses famosos compartilhamentos das redes sociais, as coisas negativas. Quando fazemos isso de certa forma também estamos agindo com ingratidão às coisas boas, porque estamos dando mais visibilidade, mais aparência para as coisas negativas, enquanto as coisas boas por serem rotina, não damos o valor que elas têm.

Na verdade, deveríamos nos deixar ser invadidos pelo desejo de gratidão todas as vezes que nos sentimos vivos!

Você está vivo agora? Seja grato!

Acho espetacular uma frase do Papa Francisco que disse: uma árvore que cai na floresta faz muito mais barulho do que a floresta toda que cresce. A gratidão parece um peso para nós, enquanto a vingança parece um prazer!

Pense bem: quantas coisas acontecem no dia-a-dia que são vitais para nós? Mas temos muito mais facilidade em perceber a falta do que a presença, seja de pessoas, de coisas.

Veja como ficamos quando falta energia elétrica, por exemplo. Tem energia o ano todo, mas se por alguns minutos faltar energia, pronto; o tempo que durar esta falta de energia, é de murmuração, não é?

Mas imagine uma situação hipotética: Se Deus nos desse amanhã somente o que tivemos hoje, e agradecemos! É só pensar em tudo que eu estou tendo hoje, mas que eu também tive ontem, mas ontem eu não lembrei de agradecer. Aí Deus, de repente, resolve me dar hoje só o que eu tive ontem, mas que ontem eu agradeci. Sinceramente imagino que poucos sobreviveriam.

Seja sincero. Quem ontem agradeceu, por exemplo, pelo ar que respirou, pela água, aquele copo de água gelada que tomou? Com certeza reclamamos muito do calor, reclamamos do muito sol quente… Como somos ingratos hein?

Nós não temos realmente o hábito de agradecer!

Quando São Paulo diz em uma de suas Cartas: “Em tudo dai graças!”, é difícil entender de que tudo é tudo! Dar graça, é agradecer!

A gratidão desbloqueia a abundância!

Todo nosso descontentamento por aquilo que falta, talvez seja pela falta de gratidão por aquilo que temos.

Admiro demais as pessoas que são gratas. Admito até que preciso ser mais grato. Admiro quem consegue ser grato pelo suficiente.

Admiro quem vê luz na confusão; que transforma uma simples refeição em um banquete, pois agradece aquela simples refeição; transforma a casa num lar; transforma um estranho em amigo.

A gratidão é capaz de dar sentido ao passado, paz para hoje e uma visão otimista para o amanhã!

Gratidão não custa nada, mas é um dos exemplos das coisas que não custam nada e que tem um valor enorme.

Gratidão é uma das grandes medidas do caráter de uma pessoa.

Preste atenção: uma pessoa grata costuma ser humilde, ser fiel, ser companheira, ser amiga. Agora, uma pessoa ingrata normalmente costuma ser egoísta, traiçoeira, individualista, amiga só de si própria.

Gratidão é a memória do coração!

É surpreendente ver por exemplo, nos velórios, as pessoas levando flores para quem já não pode mais sentir o cheiro das flores.

Vamos levar mais flores de olhares, de abraço, de aceitação, enfim, de gratidão.

Infelizmente nossos mortos recebem mais flores do que os nossos vivos, seria porque nosso remorso é mais forte do que a nossa gratidão?

 

Por Carlinhos Marques
Presidente Fundador da Comunidade Terapêutica Novo Sinai, que acolhe dependentes químicos desde 2005 de forma voluntária e gratuita, idealizador do projeto “Sobriedade Já”


Informações: