SINDICATO SERVIDORES MUNICIPAIS – Entidade questiona projeto do Executivo que visa congelar pagamento patronal da previdência

1219

Para o diretor Thiago Rogeri da Silva, professor e secretário geral da entidade, qualquer medida com o intuito de socorrer o município em seus encargos durante a pandemia é bem vinda. O que incomoda e preocupa a entidade sindical em um todo é que a mesma dificuldade que o município possa enfrentar durante a pandemia, pode se estender após a pandemia. “É preocupante, no final de um mandato e em meio à medidas emergenciais você fazer compromisso a longo prazo e jogar a bomba para a próxima gestão. Também seria importante um parecer dos conselhos administrativo e fiscal do instituto VOTUPREV, já que se trata de impactar na arrecadação, que objetiva beneficiar o servidor municipal na sua aposentadoria e que diz respeito aos mesmos”, questiona.

Thiago também lembra o esforço e pressão do executivo em passar o projeto que aumentou a alíquota por parte do funcionário, sob a justificativa federal de que a previdência iria quebrar. “Agora retirar a responsabilidade do pagamento da parte patronal? Qual a coerência? Utilizar a pandemia para justificar o projeto, também não põe em xeque a incerteza do pós pandemia para garantir que tal dívida com o instituto VOTUPREV será sanada sem transtornos? O município não recebeu verba pelo “estado de calamidade”, assim como verbas de deputados e contribuições, respiradores do governo etc., justamente para o enfrentamento do covid-19? Se a prefeitura realizou um empréstimo de 20 milhões com o banco Santander para obras, antes mesmo da pandemia- depois o prefeito em LIVE com a secretária da Saúde garantiu que a situação da prefeitura é sustentável para cumprir com a folha de pagamento dos servidores e que a baixa arrecadação dos tributos municipais ainda não era preocupante- qual o real sentido deste projeto? Como fechar as contas abrindo mais, e com dinheiro da previdência dos servidores?, questiona o sindicalista.

Thiago disse ao Diário que por esses e outros tantos questionamentos, foi solicitado ao presidente da Câmara que retire esse projeto de votação e que se faça um amplo debate com as partes interessadas para posteriormente reavaliar. Ele disse também que também que sua entidade protocolou um ofício no Instituto VOTUPREV pedindo um parecer dos conselhos, e que agora o sindicato aguarda uma resposta.

O Diário de Votuporanga pediu uma Nota Oficial na tarde de ontem à Prefeitura, mas assessoria de imprensa disse que o prefeito preferiu não se manifestar.