Rodovia Euclides da Cunha tem radares desligados após término de contrato

364

Departamento de Estradas de Rodagem informou que está em andamento o processo para contratação de novos radares. Fiscalização segue a cargo da Polícia Militar Rodoviária por meio dos radares portáteis.


Os radares fixos instalados nas pistas Leste e Oeste da Rodovia Euclides da Cunha (SP-320), no trecho de 186 km entre Mirassol/SP e a ponte Rodoferroviária sobre o Rio Paraná, com objetivo de coibir os abusos de velocidade foram retirados nos últimos dias após encerramento de contrato. 

Segundo a Secretaria Estadual dos Transportes, por meio da superintendência estadual do DER (Departamento de Estradas de Rodagem), “o monitoramento da rodovia é realizado normalmente por meio dos equipamentos com tecnologia OCR (que não verificam a velocidade, mas sim dados com base na leitura da placa) e ainda das viaturas das Unidades Básicas de Atendimento”. 

Os radares há muito tempo têm sido motivo de discussões, principalmente no Estado de São Paulo. A questão, porém, é que até julho do ano passado mais de dois mil motoristas haviam sido multados por excesso de velocidade na rodovia. Ainda segundo o DER, a verificação e autuação dos excessos continuam à cargo da Polícia Militar Rodoviária por meio dos radares portáteis. 

De acordo com a nota enviada ao Diário de Votuporanga, o “Departamento de Estradas de Rodagem alerta que os radares são importantes para a diminuição dos números de acidentes nas rodovias. O respeito às leis de trânsito evita penalidades e, o mais importante, salva vidas”. 

O DER finalizou informando que está em andamento o processo para contratação de novos radares para a SP-320.