PSDB oficializa vice-governador Rodrigo Garcia como candidato ao governo de São Paulo em 2022 

206
Foto: reprodução

A decisão ocorre em meio às prévias do partido que vão definir o candidato da sigla à Presidência da República no próximo ano. A disputa está entre os governadores João Doria, de São Paulo, e Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul.


O PSDB oficializou neste domingo (21.nov) o vice-governador Rodrigo Garcia como candidato do partido ao governo de São Paulo. A homologação ocorreu em reunião da Comissão Executiva do partido.

A decisão ocorre em meio às prévias do partido que vão definir o candidato da sigla à Presidência da República, em 2022. A disputa está entre os governadores João Doria e Eduardo Leite, do Rio Grande do Sul. Doria poderia disputar a reeleição como governador de São Paulo, mas optou por tentar o Palácio do Planalto. 

Rodrigo Garcia saiu do Democratas (DEM) em maio deste ano, quando também se filiou ao partido de Doria. Garcia tem 47 anos, é casado e pai de três filhos, e estava no DEM desde os 21 anos. 

Na ocasião da filiação, o vice-governador negou que tivesse se filiado ao PSDB com a intenção de ser candidato a governador do estado em 2022. 

“Minha vinda para o PSDB é muito natural, uma migração em que deixo muitos amigos do DEM. Aprendi com o ex-governador Geraldo Alckmin que ano par a gente fala de eleição, ano ímpar a gente trabalha. Nesse momento não é isso que está sendo discutido. Quando chegar o momento de discutir, vou me submeter às regras do partido”, disse Rodrigo Garcia. 

Racha tucano 

Lideranças históricas do PSDB Paulista como os ex-governadores Geraldo Alckmin e José Serra, e o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, não estiveram presentes na filiação de Garcia ao PSDB. 

A ausência deles expõe o racha dentro do partido, que enfrenta mais uma disputa eleitoral interna. 

O grupo liderado por João Doria quer que Rodrigo Garcia seja o cabeça de chapa da eleição em SP em 2022, mas enfrenta resistência do grupo de Geraldo Alckmin, que deseja retornar ao Palácio dos Bandeirantes e disputar uma nova eleição para governador de São Paulo.  

Alckmin já foi governador paulista por três mandatos, entre os anos de 2001 e 2006 e também de 2011 a 2018. Também foi o responsável pelo crescimento de Doria no partido, quando, em 2016, lançou o então aliado como candidato a prefeito de São Paulo contrariando caciques tucanos. 

O presidente municipal do PSDB, Fernando Alfredo, disse que, por ora, não há candidaturas postas entre os tucanos com vistas para o governo paulista em 2022. Mas ele admitiu que Garcia e Alckmin têm se encontrado com as bancadas de deputados e vereadores do partido para pavimentar possíveis pré-candidaturas no próximo ano.  

Alfredo defendeu também a realização de prévias no PSDB paulista para definir o próximo candidato ao Palácio dos Bandeirantes e resolver a cisão. 

“O governador Geraldo Alckmin tem tomado café com várias lideranças toda semana, inclusive comigo. Ontem fizemos um jantar com a executiva municipal e a bancada de vereadores com o Rodrigo Garcia e hoje o Geraldo recebeu a bancada. Se tiver dois, três ou quatro candidatos, o instrumento de decisão é as prévias. O problema é que nem Geraldo Alckmin diz ainda que é candidato a governador, nem Rodrigo Garcia. Na hora que as candidaturas tiverem postas, o partido vai usar as prévias pra definir”, declarou. 

Histórico de Rodrigo Garcia 

Filiado ao DEM desde 1994, quando o partido ainda se chamava PFL, Garcia foi secretário de Alckmin em vários momentos, tendo ocupado as pastas do Desenvolvimento Social, do Desenvolvimento Econômico e também a Secretaria Estadual da Habitação. 

Nascido na cidade de Tanabi, no interior de São Paulo, Garcia foi eleito vice-governador paulista em 2018 na chapa encabeçada por João Doria. Além do posto de vice, ele também ocupa a Secretaria de Governo, sendo responsável pela articulação política da atual gestão, fazendo contato direto com deputados estaduais e prefeitos paulistas para a aprovação de projetos de lei e liberação de verbas.