Polícia Civil conclui que morte de jovem achado entre paletes dentro de empresa foi fatalidade

587

De acordo com a Polícia Civil, um operador de empilhadeira não conseguiu ver que Thainã Teixeira, de 20 anos, estava dormindo e colocou sete paletes de madeira sobre a vítima. Caso foi registrado em Andradina/SP, no último dia 19 de fevereiro.


A Polícia Civil concluiu que a morte do jovem de 20 anos que foi encontrado ferido entre paletes de madeira dentro de uma empresa de embalagens foi uma fatalidade. 

O caso foi registrado em Andradina/SP, no último dia 19 de fevereiro. Thainã Teixeira foi socorrido e encaminhado para a Santa Casa. Ele recebeu atendimento médico na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não resistiu aos ferimentos e morreu na madruga do dia 20 de fevereiro. 

Segundo Tadeu Aparecido Carvalho Coelho, delegado responsável pelo caso, o jovem estava dormindo no local, quando o colega acabou não o viu e colocou os paletes. 

“Uma testemunha viu o jovem pegando um papelão e deitando sobre dois paletes. Logo depois, houve troca de turno. Um funcionário entrou para trabalhar, pegou a empilhadeira e colocou os outros sete paletes sobre o jovem”, diz o delegado. 

“Nós fizemos até uma simulação para verificar se dava para ver alguma coisa, mas não dava. A empilhadeira é alta. Portanto, o operador teve a visão comprometida, além do fato de o jovem estar coberto com um papelão”, complementa. 

No começo da investigação, a Polícia Civil trabalhava com a possibilidade de ter ocorrido um homicídio, porque algumas marcas tinham sido encontradas no pescoço e rosto de Thainã. 

Porém, exames necroscópicos demonstraram que os ferimentos foram provocados por conta do procedimento emergencial feito para socorrer o jovem e o peso dos paletes de madeira. 

“Na verdade, não houve homicídio. Se tivesse não existe a intenção de matar, mas houvesse culpa, seria culposo. Nem isso é. O operador não agiu com negligência e imperícia. O que aconteceu mesmo foi uma fatalidade”, afirma o delegado. 

O corpo de Thainã foi enterrado na tarde de sábado, no Cemitério São Sebastião, em Andradina, município onde morava com a família. 

Em nota, a empresa Citroplast de Andradina informou que, ao tomar conhecimento do ocorrido, determinou que fosse aberto um procedimento interno para apuração dos fatos e também determinou que fosse solicitada uma investigação pela Polícia Civil. 

*Com informações do g1