País de eleitores sem memória 

327
Júlio César Cardoso

Por Júlio César Cardoso

A polarização política observada entre Lula e Bolsonaro na corrida pela presidência da República revela a falta de memória de grande parte de eleitores ao ignorar a trajetória conturbada de ambos na direção do país.

Um foi condenado por corrupção em três instâncias e está em liberdade por decisão questionável do claudicante STF. O outro foi acidentalmente eleito como alternativa de momento apenas para derrotar o ciclo de governança petista, mas de comportamento autocrático e negacionista se indispôs contra a comunidade científica no combate ao coronavírus, “receitando” cloroquina; se posicionou do lado daqueles que desejavam o fechamento do Congresso e do STF; desrespeitou e continua a desrespeitar os profissionais da imprensa; afirmou que iria combater a corrupção, mas foi garantir governabilidade com apoio do Centrão, que o ministro e ex-general Augusto Heleno cantarolou  de ladrão: “Se gritar pega Centrão (ladrão), não fica um meu irmão”; defende com unhas e dentes a isenção de seu filho, senador Flávio Bolsonaro, das acusações de corrupção na Alerj;  é objeto de responsabilidade pela morte de muitos brasileiros na CPI da Covid do Senado; e, recentemente, o Ministério Público Federal apresentou uma ação de improbidade administrativa acusando o presidente Jair Bolsonaro de ter mantido uma funcionária fantasma em seu gabinete na Câmara, de 2003 a 2018, quando era deputado federal, e sem esquecer o escândalo de pastores no MEC envolvendo propina em dinheiro e ouro.  

Trata-se, portanto, de uma polarização descabida, quando possuímos outros candidatos de trajetória ilibada. Erramos com Lula e Bolsonaro e não podemos mais reincidir no erro. O Brasil é muito maior que Lula e Bolsonaro. Ademais, temos que oxigenar a política com elementos sem os vícios da velha política. A velha política tem inviabilizado o desenvolvimento do país e enxovalhado a imagem da nação. Cabe, então, ao eleitor decidir se deseja ou não martelar na mesmice da velha política.

Por outro lado, Lula é um político que deveria ser desacreditado e esquecido por seu comportamento indecoroso, apurado na Lava Jato. Está em liberdade, reitero, graças ao titubeante STF, que muda de decisão conforme o gosto do freguês. Lembrando que Lula não foi absolvido, apenas o STF, sem julgamento do mérito, considerou Curitiba como sendo foro incompetente para julgar os casos da Lava Jato envolvendo o ex-presidente.   

Lula deveria explicar como um político, vivendo só de política, pode ostentar situação patrimonial confortável. Isso explica que vale a pena ser político no país, pois o enriquecimento ilícito não gera punição.

O ex-presidente Lula e a claque petista fingem desconhecer que o PT deixou o país à beira da bancarrota, com mais de 13 milhões de trabalhadores desempregados, empresas falidas, inflação alta, descrédito na comunidade financeira internacional, Petrobras saqueada, sem esquecer que a plebe, por sugestão do PT, foi às compras, viajou de avião etc. e depois ficou com dívida espetada no SPC por não poder pagar.

É preciso que o eleitor tenha senso crítico para saber distinguir o joio do trigo. O país precisa de votos responsáveis capazes de eleger presidente da República de conduta ilibada — que não seja Lula nem Bolsonaro — e defenda como plataforma a educação, saúde, segurança, habitação, geração de emprego, erradicação da miséria, saneamento básico de cidades onde o esgoto ainda corre a céu aberto, respeito com o bioma Amazônia, as terras e povos indígenas, bom relacionamento com os países democráticos etc. 

*Júlio César Cardoso – Servidor federal aposentado – Balneário Camboriú/SC