Orgulho: Tite aplaude atitude de Neymar e revela voto no camisa 10 da Seleção para melhor do mundo 

389
Foto: Nelson Almeida/Reuters 

O técnico da seleção brasileira masculina de futebol, Tite, vê Neymar novamente entre os melhores do mundo. Ele revelou que votou no craque brasileira como melhor da última temporada no prêmio da Fifa. Fechou o trio com o belga De Bruyne e o polonês Lewandoski. 

Para ele, o trio hoje está acima de Messi e Cristiano Ronaldo, a quem o treinador da seleção brasileira sempre coloca ao lado de Neymar, entre os top 3 do mundo. 

O treinador comentou a atitude de Neymar, ao lado de Marquinhos e de outros atletas brasileiros na partida pelo PSG. Após a acusação de racismo, os jogadores saíram de campo, liderados por Neymar e Mbappé, ao lado dos jogadores do Istanbul Basaksehir, pela Liga dos Campeões. 

– Me deu orgulho, sim. Tanto do Neymar, quanto do Marquinhos, do Leonardo (dirigente do PSG) e outros brasileiros que estavam em campo. Saíram juntas as duas equipes e não voltaram depois, uma reação dessas é muito emblemática – comentou o treinador em entrevista ao canal “Esporte Interativo”. 

Os melhores do mundo – prêmio Fifa “The Best” – serão anunciados, de maneira virtual, no dia 17 de dezembro. O treinador brasileiro foi questionado sobre as características de Neymar, se se aproximam do modo de jogo de Messi. Como arco e flecha, expressão que o técnico usou recentemente. 

– Considero sim, de forma criativa, lúdica e imprevisível, o Neymar e o Messi (parecidos, no atual momento do brasileiro). Sempre que digo que CNTP (condições normais de temperatura e pressão) o Neymar consegue, em momentos decisivos, tirar coelho da cartola – disse o técnico. 

Racismo 

O ex-treinador do Grêmio e do Internacional se lembrou de uma frase de Tinga, que passou pela dupla Grenal, e disse certa vez: “A gente não nasce racista, aprende a ser racista, um caso de educação. Acredito em educação, a médio e longo prazo”. 

Tite disse que fez questão de se informar sobre o caso, inclusive citou o lateral brasileiro Rafael, do time turco, e classificou todo ato racista como “lamentável, inaceitável e repugnante”.