“Hip-hop, a arte moderna” agitará a Praça da Estação

895

Evento acontecerá no dia 31 de agosto com oficinas de rimas, de danças urbanas e de DJ, além de bate-papos e batalhas de breaking e freestyle, com premiação em dinheiro

 

Martis MC, jurado da batalha de Rima e instrutor do workshop de Rima

 

: B.boy Pedrinho Footwork Squad, da cidade de Bento Gonçalves-RS. Jurado e instrutor do Workshop de breaking

 

DJ Poçam, instrutor do workshop de DJ e DJ

 

 

Organizadores: Le B.boy (Alessandro) e B.boy Wesley (Wesley), da Urban Beats Brasil

 

Ester Alkimim

O movimento hip-hop é um das manifestações culturais híbridas mais importantes da contemporaneidade; além de influenciar moda, música, dança, comportamento, arte e literatura (entre outras áreas), possibilita a valorização das periferias e a substituição da violência pela força das rimas e das ideias. Um pouco dessa riqueza cultural será disponibilizada para o público de Votuporanga e região no dia 31 de agosto, das 8 às 19 horas, na Praça 31 de Março (bairro Estação), no evento “Hip-hop, a arte moderna”. A festa, totalmente gratuita, é organizada pela Urban Beats Brasil (em projeto viabilizado por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo e da Prefeitura de Votuporanga, por meio da Secretaria da Cultura e Turismo) e contará com oficinas de construção de rimas, de danças urbanas e de DJ, além de roda de conversa e batalhas de breaking (dança) e freestyle (rap), com premiação em dinheiro:  R$ 800 para primeiro lugar no breaking e R$ 800 para primeiro lugar no freestyle.

“O projeto Hip-hop, a arte moderna foi idealizado a partir da junção da cultura hip-hop com a Semana de Arte Moderna (evento que marcou o Modernismo no Brasil, em 1922) e tem como objetivo renovar o ambiente artístico e cultural da cidade com a demonstração de várias artes, como música e literatura, sob o ponto de vista atual. A intenção é oferecer o acesso a bens culturais de forma democrática, gratuita e descentralizada, promovendo a socialização com pessoas de diferentes tipos de pensamentos, idades, gostos, gêneros, etnias e condições socioeconômicas. Segundo Clarice Lispector, ‘a vida é para quem é corajoso o suficiente para se arriscar e humilde o bastante para aprender’”, define Alessandro Franscisco Martins, o Le b.boy.

Alessandro e o b.boy Wesley de Jesus formam o coletivo de dança Urban Beats Brasil, voltado para ações de fomento à cultura hip-hop em Votuporanga e região. “Comecei minha carreira como b.boy em 1994, com 12 anos de idade e, desde então, atuo como dançarino, coreógrafo e produtor de eventos”, conta Alessandro. Wesley também atua nas mesmas frentes; a parceria entre os dois começou em 2016 e posteriormente os b.boys Zeca e Lucão se juntaram ao Urban Beats Brasil.  “Sempre pensamos em ações que valorizem os artistas de Votuporanga e região, para que se sintam estimulados à profissionalização na dança e conquistem seu espaço em qualquer lugar do mundo”, destaca Alessandro.

Movimento hip-hop/Semana de Arte Moderna

O hip-hop surgiu nos guetos de Nova York, EUA, na década de 70, sob influência das culturas africanas e jamaicanas, do jazz e do blues.  Um dos precursores do movimento foi o DJ Afrika Bambaataa. Tinha como objetivo abordar questões sociais e políticas e substituir as rixas entre as gangues pelas rachas entre as crews (grupos) de breaking. Os cinco elementos artísticos constitutivos do hip-hop são: o breaking (dança), o rap (ritmo e poesia), o graffit (arte, comunicação), o MC (mestre de cerimônia, canto, voz, consciência, responsável pelo contato com a plateia) e o DJ (disc jockey, responsável pelas mixagens e scratches). A dança de rua no movimento hip-hop é composta por diversas variações, como: o breaking (executados pelos b. boys ou b.girls), o locking (executados por lockers e baseado no funk de James Brown) e o popping (executado por poppers, movimento caracterizado pela contração das musculaturas).

A Semana de Arte Moderna aconteceu em São Paulo de 11 a 18 de fevereiro de 1922, paralelamente às festividades do centenário de independência do Brasil. Foi a primeira manifestação coletiva pública na história cultural brasileira a favor de um espírito novo e moderno em oposição à cultura e à arte predominantes no país desde o século XIX. Entre os participantes estavam Anita Malfatti, Di Cavalcanti, Guilherme de Almeida. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Manuel Bandeira e Heitor Vila Lobos.

Programação Hip Hop a Arte Moderna

7h45- Inscrições gratuitas para os workshops

8 horas: Workshop de rimas com Martis MC (Votuporanga)

9 horas: Workshop com o DJ Poçam (Votuporanga)

10 horas: Workshop com o b. boy Pedrinho Footwork Squad (Bento Gonçalves)

13 horas: Cypher (roda de dança breaking)

13h30: Inscrições gratuitas para as batalhas

13h30: Roda de conversa com Martis, Pedrinho e Poçam

14 horas: Batalha de breaking

14h30: Batalha de freestyle (RAP)

Premiação de R$800,00 para 1°lugar da batalha de Breaking e de R$800,00 para 1° lugar da batalha de freestyle