Governo de SP mantém Votuporanga na Fase Laranja de enfrentamento a Covid 19

1118
Foto tirada na manhã deste sábado (17) na Rua Amazonas (Danilo Camargo)

De acordo com a avaliação semanal de autoridades estaduais e especialistas do Centro de Contingência do coronavírus em São Paulo, a classificação de retomada econômica se manteve a mesma anunciada no último dia 10.

Na etapa laranja, continuam as áreas de Araraquara, Barretos, Bauru, Marília, Presidente Prudente, São João da Boa Vista, Sorocaba, Taubaté e São José do Rio Preto que compreende o município de Votuporanga.

A etapa laranja permite funcionamento com 20% da capacidade de atendimento presencial em escritórios em geral, imobiliárias, comércio de rua  e concessionárias. A abertura é restrita a quatro horas diárias, todos os dias, ou seis horas durante quatro dias e fechamento por outros três. Votuporanga opera com 6 horas diárias a abertura do comércio.

“Nós ainda estamos em quarentena e isso exige atenção redobrada das pessoas. A quarentena exige obediência rigorosa aos critérios sanitários aprovados pelo Centro de Contingência da Covid-19 para o estado de São Paulo”, alertou o Governador. A próxima reclassificação do Plano São Paulo está prevista para a próxima sexta (24).

LIMITES PARA NÃO RETROCEDER A FASE VERMELHA

Para não regredir na atualização da próxima semana a DRS de Rio Preto não pode chegar no nível vermelho em nenhum dos critérios – Capacidade do Sistema Hospital ou Evolução da Pandemia.

O índice de internações é o critério com maior peso no cálculo da evolução da pandemia. Para que a região não entre no vermelho por este índice, ela não deve superar as internações em 50% e a quantidade de óbitos e casos não pode dobrar.

Para que a capacidade do sistema hospitalar não leve à Fase 1 do Plano SP, a ocupação em vagas de UTI não pode passar dos 80%.

COMO É FEITO O CÁLCULO

O avanço ou restrição de uma região dentro do Plano SP, que determina a quarentena heterogênea no estado, leva em consideração uma fórmula matemática baseada em número de casos, óbitos e internações por coronavírus.

Há dois critérios para cálculo da fase de risco e enquadramento de cada região: capacidade de resposta do sistema de saúde e evolução da epidemia.

O critério “Capacidade de Resposta do Sistema de Saúde” é composto pelos seguintes indicadores: (1) taxa de ocupação de leitos hospitalares destinados ao tratamento intensivo de pacientes com COVID-19; e (2) quantidade de leitos hospitalares destinados ao tratamento intensivo de pacientes com COVID-19 por 100 mil habitantes.

O critério “Evolução da epidemia” é composto pelos seguintes indicadores: (1) taxa de contaminação; (2) taxa de internação; e (3) taxa de óbitos. Os cálculos para cada um dos indicadores são detalhados no decreto.