Doria prolonga quarentena em SP com retomada gradual da economia

624

Quarentena se estenderá por mais 15 dias, a partir de segunda-feira, 1º de junho; quando também começa a “retomada consciente”.

O governador de São Paulo, João Doria anunciou nesta quarta-feira, 27, o prolongamento da quarentena no estado de São Paulo por mais 15 dias e o início da retomada das atividades econômicas no estado. As novas medidas entram em vigor na segunda-feira, 1º de junho.

“Estamos anunciando a retomada consciente a partir do dia primeiro de junho. A partir do dia 1º de junho, por 15 dias, manteremos a quarentena, porém, com uma retomada consciente de algumas atividades econômicas no estado de São Paulo”, disse Dori, durante coletiva de imprensa realizada no Palácio dos Bandeirantes.

O plano foi chamado de “retomada consciente” e prevê a flexibilização da quarentena mediante os seguintes critérios, definidos pela secretaria estadual da Saúde e pelo Comitê de Contingência para Coronavírus: redução consistente do número de casos, disponibilidade de leitos nos hospitais públicos e privados, taxa de distanciamento social e uso obrigatório de máscaras.

De acordo com o governo do estado de São Paulo, em 15 de março, início da pandemia no país, São Paulo respondia por 68% dos casos de coronavírus no Brasil. Hoje, essa taxa caiu para 22%. Em relação ao número de óbitos, em 1º de abril, o estado tinha 68% dos óbitos por Covid-19 confirmados no país. Hoje são 26%. A queda foi atribuída às medidas de distanciamento social.

Segundo Patrícia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico, a curva de contágio ainda está aumentando, mas houve uma desaceleração no estado. Ou seja, o aumento acontece de forma mais lenta, o que permite a adoção de uma flexibilização em fases.

O plano do governo prevê a classificação das regiões em cinco fases, que variam de acordo com a capacidade de atendimento do sistema de saúde  e a evolução da pandemia em cada região. Cada fase corresponde a um maior controle da academia e prevê maior flexibilização. A fase 1 (vermelha)  é a fase atual, na qual há um alerta máximo e liberação apenas para serviços essenciais. A região da Grande São Paulo está classificada nesta fase.

Em seguida, vem a fase 2 (laranja). Chamada de fase de atenção, há o início da flexibilização com abertura de atividades imobiliárias, concessionárias, escritórios, comércios e shopping center, com restrições. A capital paulista está nesta fase e haverá uma flexibilização a partir de 1º de junho.

A fase 3 (amarela), é chamada de fase controlada e é caracterizada por uma maior liberação de atividades. Nesta etapa, atividades imobiliárias, c concessionárias e escritórios podem funcionar normalmente e é permitida a abertura de bares e restaurantes e salões de beleza, com restrições. Comércios e shopping centers também continuam a funcionar com restrições. Algumas regiões do interior do estado estão classificadas nesta fase.

Até o momento, nenhuma região do estado está classificada nas fases 4 (verde), de abertura parcial, e 5 (azul), de normalidade, que flexibilizam ainda mais as medidas de distanciamento. Academias, por exemplo, só podem voltar a funcionar com restrições em regiões classificadas na fase 4. Já espaços públicos, cinemas, teatros e eventos que promovam aglomeração, como jogos de futebol, só podem funcionar ou ser realizados em locais na fase 5, quando há controle da doença.