Daniel David critica corte de verba do governo de SP à Santa Casa

195

Vereador usou a tribuna da Câmara para questionar o corte de R$ 1,4 milhão ao ano em repasses ao centro médico votuporanguense e explicou que há um esforço de várias autoridades do estado, dentre elas o deputado estadual de seu partido, Itamar Borges, para que a situação seja revista e o corte suspenso.


Durante a segunda Sessão Ordinária da Câmara desta segunda-feira (1º), o vereador Daniel David (MDB), utilizou a tribuna da Casa Legislativa para criticar o corte de 12% nos repasses do Governo do Estado de São Paulo à Santa Casa de Votuporanga/SP. 

De acordo com o parlamentar, o impacto nos cofres do centro médico que é uma das principais frentes de atendimento a pacientes com Covid-19 na região terá um impacto negativo de R$ 120 mil por mês, totalizando R$ 1,4 milhão ao ano. 

Situação surgiu diante da decisão de contingenciamento do governo, a Fehosp (Federação dos Hospitais Filantrópicos do Estado de São Paulo), enviou carta ao governador João Dória para expor a realidade das 1.832 Santas Casas e Hospitais sem fins lucrativos, que atendem anualmente mais de 10 milhões de consultas nas mais diversas especialidades médicas, sendo responsável por mais de 45% de todas as internações realizadas por meio do SUS (Sistema Único de Saúde). 

Atualmente, há grande diferença entre custo e remuneração no atendimento SUS. De cada R$ 100 gastos no atendimento aos pacientes, o SUS somente ressarci R$ 65. Dados do governo federal informam que a situação financeira das Santas Casas, que é a maior rede hospitalar no País, é crítica e preocupante. 

Daniel David salientou: “R$ 1,4 milhão ao ano, faz diferença para qualquer situação. A gente não sabe qual é o objetivo do governador, espero que ele tenha a cabeça no lugar e possa trabalhar de uma forma diferente, olhando para a população e sendo e fazendo aquilo pelo que foi eleito”. 

Parlamentar finalizou explicando que há um esforço de várias autoridades do estado, dentre elas o deputado estadual de seu partido, Itamar Borges, para que a situação seja revista e o corte suspenso. “Mas é o Doria sendo Doria, nosso governador brincando de ser governador”.