Confirmado! Irmão de prefeito de Jales está entre os presos pela PF

482
 Jackson Goncalves, atual chefe da Federal de Jales e Cristiano Pádua da Silva, atual chefe da PF em São José do Rio Preto. Foto: Divulgação PF

Obra irregular vem de 2012. Pagamentos superam os R$ 9 milhões.

E a Operação Zaram, em alusão a um guarda que capturava fugitivos para levá-los a julgamento, relatado numa ópera inacabada de Mozart, desencadeada na terça, 20, fruto da “Farra no Tesouro”, ocorrida em 2018, realmente tem dentre os presos o irmão do atual prefeito de Jales Flávio Prandi. W.P.F, além do laço fraterno com o alcaide, também é cunhado de J.R., candidato à vereança e também no rol dos detidos provisoriamente.

No total foram seis ordens de prisão cumpridas, além de quebra de sigilos bancários e apreensão de equipamentos. Há a suspeita de que esquema de desvio de recursos similar – na construção de unidades habitacionais – em Dirce Reis, Cordeirópolis, Santa Fé do Sul e Dirce Reis.

Prandi, através de nota oficial, negou ilicitudes no contrato público investigado e nas ordens de pagamento. Ele não é candidato à reeleição.

Só para recordar! Mais de R$ 9 milhões em jogo

 

Imagem da tesoureira Érica Carpi de Oliveira sendo conduzida pela PF em 2018. Operação deu início à atual. Foto: Arquivo/Jornal O extra.net/G1

 

Durante as investigações da Operação Farra no Tesouro em 2018 a PF descobriu que um empresário e ex-vereador do município de Jales estava recebendo os valores destinados ao pagamento da construção de casas populares, mesmo não sendo formalmente sócio da empresa que venceu a licitação. Os cheques emitidos pela Prefeitura de Jales para pagamento da obra eram descontados pelo empresário, que fazia a distribuição dos valores recebidos mediante depósitos bancários em sua própria conta e nas contas relacionadas a outros investigados.

Embora a obra em Jales tenha sido orçada inicialmente em pouco mais de seis milhões de reais, as investigações demonstraram que mais de R$ 9 milhões de reais foram pagos no decorrer da construção, sendo a maior parte paga pela Prefeitura de Jales nos anos de 2017 e 2018.

O convênio para a construção das 99 unidades populares foi celebrado em 19/07/2012, quando Jales era governada por Humberto Parini (PT).  (Coluna Entrelinhas – Beto Iquegami – O Extra Net)