Catedral celebra Dia da Padroeira e 43 anos do falecimento do Frei Arnaldo

621

A Paróquia Nossa Senhora Aparecida (Catedral) celebra neste sábado, 12, o dia de sua padroeira e também padroeira de Votuporanga e do Brasil. As festividades tem neste ano o tema: “Com Maria: escolhidos e enviados em missão!”. Também serão celebrados os 43 anos de falecimento do Frei Arnaldo, que foi Vigário em Votuporanga por 13 anos.  As celebrações se iniciaram às 9h com a Santa Missa com Crianças, que também comemoram seu dia. Ao meio-dia, os fiéis participam da Consagração Solene a Nossa Senhora Aparecida. No fim do dia, às 17h30, os fiéis sairão em procissão com a imagem da padroeira pelas ruas centrais e após a procissão, será celebrada uma Missa Solene em Louvor a Nossa Senhora Aparecida, presidida pelo padre Gilmar Margotto. Após a Missa, haverá mais uma noite de Quermesse no Centro Paroquial de Eventos.

As Festividades da Padroeira tiveram início no dia 03, com a Novena de Nossa Senhora. Durante noves dias, os fiéis puderam rezar e agradecer a Nossa Senhora. No último sábado, 5, foi iniciada a Sensacional Quermesse da Padroeira que será realizada também nos sábados 12 e 19 de outubro, sempre no Centro Paroquial de Eventos. Também está sendo realizado o Concurso Boneca e Boneco Vivos.

O povo de Votuporanga sempre teve muita fé em Nossa Senhora Aparecida, a ela foi dedicada a primeira capelinha de nossa cidade e posteriormente o bispo diocesano a nomeou como padroeira de Votuporanga.

Segundo o padre Gilmar Margotto, pároco da Catedral, “nestas celebrações, procuramos aprofundar o espírito mariano, nossa fé em Deus e o nosso compromisso como cristão. A partir do momento em que nós encontramos em Maria o modelo e exemplo de fé, nós também encontramos nela esse espírito de fraternidade e solidariedade e de modo especial o nosso espírito missionário.” Ele também falou que devemos sempre estar dispostos,  e sermos humildes e perseverantes na fé, como Maria o foi e seguirmos suas palavras: “Eis aqui a serva do Senhor”.

Hoje também a Catedral celebra os 43 anos do falecimento do Frei Arnaldo

Celebramos neste sábado, dia 12 de outubro, os 43 anos de falecimento do Frei Arnaldo Maria de Itaporanga, vítima de um acidente automobilístico no trevo de Nhandeara, quando vinha para Votuporanga participar das festividades da padroeira.

O saudoso frei foi vigário cooperador da paróquia Nossa Senhora Aparecida por 12 anos, tendo desempenhado um maravilhoso trabalho pastoral e cativando a todos. Fica nos a lembrança do saudoso frei corintiano e que amava a Votuporanguense.

Frei Arnaldo Maria de Itaporanga (José Figueiredo Castilho) nasceu em Itaporanga aos 4 de abril de 1928, filho de Oscarlino Figueiredo Castilho e de Maria Isabel Castilho, terceiro dos cinco filhos do casal: Celso, Maria de Lourdes, João Batista e Luiza Antonia. Entrou para o Seminário São Fidélis aos 23 de janeiro de 1946. Vestiu o hábito aos 5 de janeiro de 1949, tendo como Mestre Frei Epifânio Menegazzo. Ordenado sacerdote aos 19 de fevereiro de 1956, concluiu os estudos no final desse ano. Seu primeiro campo de apostolado foi Votuporanga, já em janeiro de 1957. Ali granjeou a estima e a amizade de toda a população, sendo bastante querido, especialmente da colônia japonesa. Soube viver intensamente, sempre jovial, alegre, simpatizante dos esportes – especialmente do futebol – e também zeloso no apostolado. Generoso, mão aberta, expansivo, não se deixava prender por muitas normas ou etiquetas. Queria ver todos felizes e alegres; onde estivesse, era sempre o centro das brincadeiras, recordando aventuras dos tempos idos e das “tramas” para fugir à austera disciplina dos rigorosos tempos de estudante. Em janeiro de 1969, com grande tristeza dos votuporanguenses, foi transferido para Ilha Solteira (SP), onde, igualmente, conquistou a todos.

Aos 12 de outubro de 1976, quando ia de Ilha Solteira para a estimada Votuporanga a fim de pregar na festa da Senhora Aparecida, padroeira local, seu carro, dirigido por Frei Ludovico Sesso foi colhido por um ônibus no Km. 509 da Rodovia Feliciano S. Cunha, no trevo de Nhandeara. Teve morte instantânea, enquanto Frei Ludovico ainda sobreviveu por algumas semanas. Mais de 5 mil pessoas participaram do funeral de Frei Arnaldo, quando houve missa concelebrada por inúmeros sacerdotes em Votuporanga, onde foi sepultado a pedido da população.