Atletas japoneses não vão tomar vacinas chinesas, afirma ministra das Olimpíadas de Tóquio

311

Tamayo Marukawa disse que veto se dá pelo fato de os imunizantes não serem aprovados no país; COI anunciou na quinta-feira que recebeu ofertas de vacinas da China para os competidores.


Atletas japoneses que participarem das Olimpíadas de Tóquio, entre julho e agosto deste ano, não poderão tomar vacinas oferecidas pela China, pelo simples fato de que elas não foram aprovadas pelo país. A afirmação foi dada nesta sexta-feira (12) pela atual ministra das Olimpíadas, Tamayo Marukawa.

Na quinta-feira, o presidente do COI (Comitê Olímpico Internacional), Thomas Bach, disse que a China ofereceu vacinas a todos os atletas que forem disputar as Olimpíadas de Verão de Tóquio e a de Inverno de Pequim de 2022.

“Acho que será uma decisão para os países onde as vacinas chinesas foram aprovadas. Não estou ciente se alguma empresa chinesa solicitou a aprovação de vacinas chinesas em nosso país”, afirmou, para depois indicar que os competidores japoneses não tomarão vacinas vindas do vizinho asiático.

A ministra reforçou que o comitê organizador das Olimpíadas e as autoridades japonesas estão preparadas para realizar o evento mesmo sem uma vacinação maciça dos participantes.

O COI deixou claro que encorajará todos os participantes a se imunizarem se tiverem a oportunidade. 

“Estamos tomando medidas anti-infecciosas abrangentes, incluindo gerenciamento de atividades e testes para que as pessoas possam se sentir seguras em participar dos Jogos de Tóquio, mesmo sem vacinação”, acrescentou a ministra. 

Tóquio e três cidades vizinhas estão em estado de emergência desde 7 de janeiro de 2021, repetindo as restrições aplicadas no início da pandemia em 2020. As restrições foram ampliadas na semana passada até 21 de março. Nesta quarta-feira 1316 casos de Covid-19 foram diagnosticados no Japão, sendo 340 deles em Tóquio. 

*Com informações do globoesporte