Fechamento do comércio, ACV se manifesta

828

Em nota endereçada para a imprensa a diretoria da ACV (Associação Comercial de Votuporanga), reitera que, por decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, foram suspensos os Decretos Municipais nº 12.202, nº 12.262 e nº 12.306 que permitiam a flexibilização em alguns segmentos do comércio.

“Enquanto aguardamos novas definições, estabelecimentos não têm mais a autorização para atender presencialmente com recebimentos de contas e afins”, diz a nota.

A ACV orienta ainda que o fechamento deve ser obedecido pelos seguintes segmentos: templos e cultos; lojas de veículos novos e usados; equipamentos sociais e esportivos, públicos e privados, academias, estúdios de pilates, personal training, centros de treinamentos; clubes sociais e de lazer. “Também fica proibido o atendimento presencial, com a abertura de apenas uma única porta, nos comércios e prestadores de serviços considerados como ‘não essenciais’.”

A nota informa ainda que o Prefeito João Dado anunciou, na manhã desta segunda-feira, que a Procuradoria Geral do Município irá recorrer contra a decisão liminar, com a premissa de que “não é de competência do Tribunal de Justiça Estadual julgar Ação de Inconstitucionalidade contra Decretos Municipais que decorreram de Lei Federal e Decretos do Presidente da República que definem atividades essenciais. Os Decretos Municipais também foram embasados em diversos argumentos técnicos, entre eles, a condição positiva de Votuporanga nos índices de isolamento social e a estrutura de saúde ora oferecida”.

A diretoria da entidade defende a importância dessa flexibilização para a economia do setor e destaca que todas as recomendações de saúde estavam sendo cumpridas pelos lojistas e clientes.

“Agradecemos ao Prefeito João Dado pelos esforços empenhados nesta questão e nos solidarizamos com o atual momento enfrentado por todos os comerciantes e empresários; continuaremos acompanhando as tratativas e defendendo os interesses dos nossos associados, sem deixar de lado as orientações para contenção da Covid-19”, finaliza a nota.