Tragédia familiar: trigêmeos perdem mãe, tia e avó por Covid-19 em Parisi

585

A avó, Valentina Peres Machado, de 66 anos, estava intubada em um hospital de São José do Rio Preto/SP. Filhas (mãe e tia das crianças) vieram a óbito pela mesma doença na semana passada. O pai, faleceu em um acidente de motocicleta, em outubro do ano passado.


Uma mãe e as suas duas filhas, moradoras de Parisi/SP, morreram de Covid-19 em menos de 10 dias. Uma das filhas, Ana Paula Faria, de 37 anos morreu na última terça-feira (16). Em 2016, ela descobriu que daria à luz a trigêmeos somente na hora do parto e a história ganhou domínio público por meio da grande imprensa. 

Ana Paula começou a apresentar os sintomas da doença e procurou a Unidade de Saúde de Parisi, onde fez o primeiro teste e o resultado deu negativo para coronavírus. Contudo, na sexta-feira (12), a mãe dos trigêmeos repetiu o exame, testou positivo para Covid-19 e precisou ser internada na Unidade de Saúde de Parisi. 

Um dia depois, ela foi transferida para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da Santa Casa de Votuporanga/SP, mas não resistiu às complicações da doença e morreu na madrugada. 

A irmã dela, Karina Angélica Faria, de 33 anos, também morreu por coronavírus três dias antes. Ela procurou atendimento na Unidade de Saúde de Parisi, mas não conseguiu encontrar uma vaga na Santa Casa de Votuporanga. 

“A Ana Paula evoluiu um pouco mais estável durante a noite, mas a Karina, da noite do dia 12 para o dia 13, teve um rebaixamento importante, precisou da intubação, ainda que não tenhamos respirador”, informou Graciely de Souza Pantano, médica da Unidade de Saúde de Parisi. 

Já no domingo (21), a mãe delas, Valentina Peres Machado, de 66 anos e que estava intubada em um hospital de São José do Rio Preto/SP, não resistiu às complicações da doença e veio a óbito.

A Santa Casa de Votuporanga confirmou o pedido de transferência feito na semana passada para Karina, mas disse que não conseguiu encontrar vaga por conta da lotação no hospital. 

No fim do ano passado, o pai dos trigêmeos morreu após sofrer um acidente. Inclusive, a última publicação de Ana Paula nas redes sociais foi uma homenagem ao ex-marido. 

“5 meses sem você. A saudade aperta, o peito dói, as lágrimas rolam e não tem nada que se possa fazer, nada, nada, nada preenchi esse vazio que você me deixou. E eu estou aqui procurando uma forma pra seguir em frente. Você me deixou 3 motivos para isso, obrigada Deus por colocar o Renato na minha vida mesmo que só por 7 anos, valeu a pena”, escreveu Ana Paula.

Em outubro de 2020, o pai das crianças, Renato Santos Ferreira, de 36 anos, morreu em um acidente de motocicleta quando seguia pela vicinal Ângelo Comar, no sentido Parisi/Votuporanga, onde seguia para o trabalho; à época, suspeitava-se que a máscara facial que ele usava havia escapado e tapado seus olhos, o que teria causado queda da motocicleta e a morte de Renato. 

Parto 

Em 2016, Ana Paula entrou na sala de cirurgia para dar à luz gêmeos. Contudo, soube pela equipe médica, durante o parto, que os gêmeos, na verdade, eram trigêmeos. 

O parto foi feito pelo Sistema Único de Saúde (SUS), na Santa Casa de Votuporanga, em cinco de janeiro. 

“Em nenhum exame ou ultrassom que tinha feito durante a gravidez tinha apontado os três, apenas gêmeos. Agora é cuidar dos três. Carinho e amor não vão faltar”, disse Ana Paula na época. 

Segundo o médico radiologista Alexandre Henrique de Parma, casos como esse podem acontecer, independentemente do profissional ou equipamento de ultrassom usado no exame. 

“De maneira geral, casos como esse não são comuns, mas podem acontecer, devido às limitações técnicas do exame em pacientes obesas, onde até mesmo a imagem do feto pode ser confundida. Isso também pode ser ocasionado quando a ultrassonografia não é realizada nos primeiros meses de gestação”, afirmou também na época.