SOBRIEDADE JÁ: Balança mas não cai

190

O sentido de equilíbrio é amplo, poderíamos dizer que é a harmonia entre as coisas, a moderação, a sensatez, o juízo de valores.

Uma pessoa equilibrada sempre vai conseguir circular com mais facilidade por onde passar, e mais importante, irá chegar no destino “sem cair”, isso é, sem perder o controle, sem se prejudicar sem prejudicar ninguém.

Para exemplificar melhor, equilíbrio quando se trata de um objeto, é a situação que ele, apesar de ter pouca base, se sustenta e consegue se manter sem cair.

Ok! Eu particularmente quando penso em equilíbrio, me vem a imagem de uma bicicleta, que se equilibra sobre duas rodas, ou seja, sobre dois pontos.

Acontece que, sabemos através da física que são necessários três pontos para que se estabeleça o equilíbrio.

Imagino até que, na gênese da criação, Deus deixou claro para nós essa ideia trina de equilíbrio, de perfeição. Criou o tempo, e ele se sustenta entre passado, presente, futuro, criou o espaço, ele tem largura altura e profundidade, o estado básico de toda matéria tem o sólido líquido e o gasoso. Tudo é formado por átomo, e a estrutura do átomo é prótons, nêutrons e elétrons, uma música precisa de: harmonia, melodia e ritmo, percebe, tudo de forma trina para que fique em perfeita sintonia, e o mais interessante, Deus quando se revela plenamente ao mundo, disse ser um Deus em três pessoas, a Santíssima Trindade, Pai Filho e Espírito Santo.

Mas voltemos ao exemplo da bicicleta, porque seria o melhor exemplo de equilíbrio, já que ela se sustenta apenas em dois pontos no chão?

Existe uma resposta espetacular para isso, a bicicleta só consegue se equilibrar em dois pontos, somente quando ela está em movimento.

Uma bicicleta, uma moto, parada, precisa de um terceiro ponto para se equilibrar, aquele pezinho do lado, mas se ela tá rodando, se está em movimento ela se mantém em equilíbrio.

Está aí, nós humanos também para nos mantermos em equilíbrio precisamos estar em movimento, acontece que diferentemente da bicicleta o nosso movimento está muito além de ir de um lugar para o outro, está na nossa disposição de avançar em nossa vida pessoal, profissional, intelectual, espiritual. A sede de saber, de aprender, sede de hoje ser melhor que ontem e amanhã ser melhor que hoje.

Enfim, essa lógica da necessidade do movimento do ser humano tem tudo a ver com aquele incômodo e mais sedutor convite de Jesus: “Avance para as águas mais profundas.” isso é movimento, isto é não ficar estático, parado acomodado.

Imagina uma música sem ritmo, sem a pulsação? Ela não existe. E aí como está o seu ritmo? Como está a sua música?

Coloque-se em movimento, e veja que estou dizendo movimento e não velocidade, não é a velocidade que determina o equilíbrio, mas o movimento.

Às vezes passa despercebido pra nós, mas equilíbrio está em tudo. Veja um pássaro, se ele tem as penas de uma asa cortada de um lado só por exemplo, ele não consegue voar, mas se tiver as duas asas cortadas na mesma proporção, mesmo com dificuldade ele voa, pois as duas asas estão equilibradas.

Ainda com o exemplo dos pássaros, esses dias assistindo um desses programas de vida animal, vi imagens de pássaros em voo, sabe aquelas gaivotas plainando na praia, toda aquela serenidade só existe, porque ali existe equilíbrio.

Pra vocês terem uma ideia, uma vez vi numa reportagem, que uma empresa aérea numa campanha publicitária, iria pintar as asas de uma aeronave com cores diferentes, os engenheiros tiveram que calcular o peso, grama por grama da tinta que iria ser aplicada em cada uma das asas, para ter exatamente a mesma quantidade de tinta, caso contrário o avião iria se desequilibrar, e cairia.

Movimento determina o equilíbrio, mas uma outra coisa capaz de te manter equilibrado: é ter raízes.

Uma árvore só se mantém de pé, por causa de suas raízes. Onde estão as suas?

Elas são suficientes para te segurar durante os vendavais da vida?

Quantas árvores a gente vê caída por aí nas estradas, às vezes ventos relativamente fracos, mas a gente percebe que ela tinha raízes pequenas, que não eram capazes de segurá-las, de equilibrá-las.

Esse exemplo da árvore mostra que o equilíbrio não precisa necessariamente ser visível, ser aparente, mas precisa ser forte, raízes fortes e profundas não são aparentes, a tal coisa da casa plantada na rocha, ela se equilibra, e se segura.

Para terminar, vamos mergulhar na maior expressão de equilíbrio que existe, a natureza, tudo funciona por si, tudo que foi criado e que se transforma, se transforma em harmonia, mas infelizmente, o homem consegue desequilibrar as coisas naturais.

A vida é bem isso. O equilíbrio entre escolhas e consequências, não é excesso, nem falta. Equilíbrio é o suficiente. É a habilidade de olhar para vida numa perspectiva clara e fazer a coisa certa do jeito certo, no tempo certo. É a habilidade de olhar a beleza, mas também entender o significado de qualquer situação, sendo ela favorável ou não. Equilíbrio é aprender com as situações e prosseguir, estar alerta, focado, ter visão ampla, olhe os pássaros voando, imagina a visão da gaivota sobre a praia, sobre o mar, a visão dela é ampla porque ela vê de cima, vê de cima porque voa, e voa porque se equilibra.

Equilíbrio é a visão clara do que vem a ser humildade, e do que é audácia, e o que é tolerância. Equilíbrio é sabedoria, equilíbrio é sobriedade, e o estado mais elevado do equilíbrio é voar, voar livre, e ainda sim se manter firme, com os pés no chão.

Por Carlinhos Marques
Presidente Fundador da Comunidade Terapêutica Novo Sinai, que acolhe dependentes químicos desde 2005 de forma voluntária e gratuita, idealizador do projeto “Sobriedade Já”

Informações:
contato@novosinai.org.br
www.novosinai.org.br