Sindicância para investigar denúncia de mãe após agulha ficar presa na filha em injeção é arquivada em Penápolis 

174
Mãe fotografou agulha que foi encontrada em filha — Foto: Arquivo pessoal

Publicação no Diário Oficial diz que sindicância foi arquivada por ‘insuficiência de provas para afirmar a autoria ou a veracidade dos fatos’.


A Prefeitura de Penápolis/SP arquivou a sindicância que apurava o caso da menina de 6 anos que foi levada pelos pais para tomar injeção no pronto-socorro e voltou para a casa com uma agulha presa em uma das nádegas. A decisão foi publicada no Diário Oficial do município.

“A investigação apontou para insuficiência de provas para afirmar a autoria, ou a veracidade dos fatos, decisão por arquivar este procedimento, e aguardar o término do inquérito civil”, diz um trecho da publicação. 

Os pais da menina procuraram o pronto-socorro no dia 24 de janeiro, pois a filha havia testado positivo para a Covid-19 e estava passando mal. 

Segundo a mãe da criança, muitos pacientes aguardavam atendimento, o que fez com que a menina esperasse das 12h às 14h30 para conseguir consulta com uma pediatra. 

“Ela atendeu minha filha super bem e receitou uma medicação via oral e uma intramuscular. O enfermeiro também foi super atencioso, mesmo com a minha filha chorando e se debatendo um pouco”, explicou a mãe Thamires dos Santos Silvério Lourenço. 

Conforme Thamires, o enfermeiro aplicou a injeção, colocou um algodão e subiu o short da menina, ficando um pequeno relevo no local da aplicação. 

“Achei que o relevo fosse por conta do algodão, mas minha filha veio embora chorando no carro. Ela começou a falar que não estava conseguindo sentar direito. Chegamos em casa, fui tirar o algodão para ver e encontrei a agulha espetada no bumbum”, disse. 

Assim que percebeu a situação e descobriu o motivo da filha estar chorando, a mãe retirou a agulha para amenizar a dor da menina. 

“Não sabia o que fazer na hora. Meu marido falou para voltarmos para o pronto-socorro com a agulha. Fiz boletim de ocorrência online e denúncia no Ministério Público”, explicou. 

De acordo com Thamires, a filha não sofreu complicações e foi submetida a exame de corpo de delito. 

“Entendo a superlotação no pronto-socorro. Não acho que o enfermeiro que esqueceu a agulha seja 100% culpado. Lógico que o profissional deveria ter prestado mais atenção, mas é um enfermeiro que me atendeu inúmeras vezes e nunca tive problema”, contou. 

*Com informações do g1