Psicólogo do SanSaúde explica sobre terapia infantil

152

Renan Bandeira Dias enumera sinais e comportamentos que precisam de atenção.


A pandemia do Coronavírus impactou a rotina de muita gente, inclusive de crianças e adolescentes que, assim como os adultos, têm seus conflitos e nem sempre conseguem lidar com eles de forma adequada. E a partir disso, começa a demonstrar ou aparentar suas dificuldades, seja através de seus medos ou de suas angústias.

É fundamental que os pais fiquem atentos. O psicólogo do SanSaúde, Renan Bandeira Dias, explicou que há inúmeros motivos que podem levar pais e responsáveis a procurar profissional de confiança. Os mais comuns são: transtorno comportamental diagnosticado, dificuldade pontual emocional, ansiedade, depressão, separação dos pais, problemas na rotina escolar, birra frequente, entre outros.

Sintomas que precisam de atenção

– Tristeza constante e duradoura

– Dificuldades de interagir com outras pessoas

– Oscilações de humor

– Intolerância e agressividade

Contudo, não se resume somente aos tópicos citados. “Que tal olharmos para nossas crianças e adolescentes de forma singular e nos atentarmos quais necessidades demandam? A partir daí podemos pensar o que realmente precisa de mais ou menos atenção”, destacou Renan.

Desenhos como sinais de ajuda

O desenho é um sinalizador, é algo que comunica. “Muitas vezes, a criança está pedindo ajuda e, se os pais tiverem esse olhar, já é um ponto de partida”, complementou.

Terapia infantil e juvenil – como funciona?

O profissional contou que o tratamento psicanalítico tem os mesmos moldes e princípios para todas as idades, adaptados à linguagem e nível de desenvolvimento de crianças e adolescentes. “A psicanálise infantil é uma versão intensiva de terapia lúdica, onde a criança fala e se expressa através das brincadeiras e do brincar. Já o adolescente fala através dos jogos, hoje em dia, incluindo redes sociais, seriados e filmes. Durante a sessão buscamos abordar conflitos, trabalhar o que está impedindo o desenvolvimento e promover o que podemos chamar de cura psicanalítica”, reforçou.

Ele complementou que o psicólogo também vai trabalhar com o intuito de oferecer um ambiente para que a criança ou adolescente sinta-se seguro e acolhido. “Também trabalhamos com orientação de pais, pois se acredita que mudanças importantes e significativas acontecerão se eles participarem efetivamente do processo”, disse.

Dicas para saúde mental e a pandemia

  1. Tire dúvidas sobre a pandemia

Conte o que está acontecendo para a criança, nas próprias palavras e de acordo com a faixa etária, evitando o desespero e se atendo aos fatos.

  1. Faça atividades que não sejam on-line

Leiam um livro juntos, façam uma massinha caseira, cozinhem juntos uma refeição para a família.

  1. Limite o tempo de tela

Se o seu filho tiver que cumprir atividades escolares nas telas do computador ou celular, procure limitar esse tempo. Evite jogos de videogame após as aulas e ofereça opções de lazer e brincadeiras em família e ‘analógicas’.

  1. Faça refeições em família

Busque fazer pelo menos uma refeição ao dia juntos, sem distrações em telas, apenas conversando.

  1. Faça um diário dos sonhos para compartilhar

Acordem mais cedo e, antes das tarefas do dia, anotem e conversem sobre os sonhos que tiveram, aproveite o momento para compartilhar e conhecer seus pensamentos.

Cada família pode estar inserida em contextos diferentes, onde as práticas podem ou não funcionar. Você pode experimentar ou ajustar para sua rotina.