Justiça condena zootecnista a 80 anos de prisão por matar os filhos de 3 e 4 anos

259
Augusto Imaizumi, de 3 anos, e o irmão Otávio Imaizumi, de 4 anos, morreram — Foto: Reprodução/Facebook

Crime foi em 2016, em São José do Rio Preto/SP. O julgamento chegou a ser adiado por duas vezes, mas foi realizado nesta sexta-feira (8).


Hugo Imaizumi foi condenado a 80 anos de prisão nesta sexta-feira (8.abr) após ser julgado em São José do Rio Preto/SP. A Justiça entendeu que o crime foi por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa das vítimas.

O julgamento, foi adiado por duas vezes seguidas após o advogado de defesa do réu alegar problemas médicos. Os pedidos foram atendidos pela Juíza Gláucia Véspoli Oliveira, da 5ª Vara Criminal de Rio Preto.

O crime foi registrado na noite de 24 de setembro de 2016 e repercutiu nacionalmente. O zootecnista foi denunciado pelo Ministério Público (MP) por cometer duplo homicídio triplamente qualificado.

Hugo está preso preventivamente na penitenciária Tremembé II, unidade de segurança máxima e reservada somente para casos graves e especiais, mas foi trazido a Rio Preto para sentar ao banco dos réus.

Hugo Imaizumi, pai das crianças mortas, vai ser julgado em dezembro de 2021, cinco anos após o crime em Rio Preto — Foto: Tv Tem/Reprodução

Crise conjugal

De acordo com a denúncia feita pelo promotor José Márcio Rosetto Leite, Hugo e a mulher viviam uma crise conjugal e não dividiam a mesma cama.

No dia do crime, a esposa do zootecnista, como costumava fazer na época, foi dormir com os dois filhos em um cômodo.

Hugo tirou os meninos do cômodo e os levou para um quarto. Em seguida, dopou e matou os filhos com um canivete. Ele confessou à Polícia Civil que cometeu o crime para se vingar da mulher.

Ainda conforme a denúncia, o zootecnista gravou a cena e enviou à sogra. Logo depois, tentou suicídio com o mesmo canivete, mas sobreviveu.

A imprensa tentou contato com a defesa do zootecnista, mas não conseguiu retorno até a publicação desta reportagem.

Socorro

De acordo com do boletim de ocorrência registrado na época, a mãe das crianças foi à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Jardim Tangará e, desesperada, avisou a um dos guardas municipais que seu marido havia matado os dois filhos.

Os guardas foram à casa com a mulher, onde encontraram o Hugo deitado na cama com as duas crianças. Eles tentaram reanimar os meninos até a chegada do resgate, mas não conseguiram.

Ao lado dos corpos, uma carta escrita à mão foi encontrada e apreendida pela Polícia Civil. Nela, o zootecnista expressou decepção com uma suposta traição cometida pela mulher.

Hugo foi socorrido pelo SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e encaminhado para o Hospital de Base. Ele chegou a ficar internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), mas recebeu alta e foi preso.

*Informações/g1