Coronavírus e os cuidados com nossos filhos

382

Por Andrea Anciães

A pandemia já é um desafio por si só para os adultos: preocupações com a saúde e economia têm ocupado boa parte do dia a dia. No entanto, também é preciso entender como lidar com as crianças na quarentena.

Adultos estressados com a ameaça real da doença, sobrecarregados com o trabalho realizado remotamente, preocupados com as finanças e com um risco de desemprego, e que ainda precisam gerenciar a presença de seus filhos, agora em casa 24 horas por dia, toda essa pressão pode deixar traumas nesta geração que vive sua primeira experiência de confinamento ainda tão cedo.

As crianças precisam de se sentir seguras e não se devem preocupar

Com as escolas fechadas, as crianças estão em casa e também precisam enfrentar os desafios desse período de isolamento social. Muitos pais ainda trabalham fora e não têm com quem deixar os filhos, outros precisam conciliar a rotina de home office com as necessidades dos filhos.

Diante dessa nova situação e de um cenário de caos e incerteza, cabe aos pais ou responsáveis adaptar o dia a dia dos pequenos de acordo com a nova realidade. No entanto, não podemos parar por aí, dependendo da idade é importantíssimo também conversar sobre o que está acontecendo no Brasil e no mundo.

Medo, angústia e ansiedade são as palavras do momento. Todo mundo está preocupado com um parente no grupo de risco ou com a situação econômica do país. Estamos todos juntos em um mesmo barco, mas diante de tantas incertezas, não podemos nos esquecer das crianças! Então é aí que muitos questionamentos surgem.

Como falar sobre o COVID-19 com as crianças? Como preparar a cabeça de uma criança para esse momento? Como filtrar somente as informações necessárias para que as crianças não fiquem expostas a tantas notícias ruins?

Como criar uma rotina para que o dia a dia das crianças nesse momento não se torne monótono?

Os pais precisam, mais do que nunca, estar atentos às necessidades dos filhos para que o período de quarentena não seja totalmente perdido. É necessário auxiliar os pequenos tanto na execução das tarefas escolares como na parte emocional.

Ensinem seus filhos medidas de higiene e a importância do uso da máscara durante à quarentena

É recomendado aos pais que falem com os filhos e deixem eles expressarem seus sentimentos em relação a doença. Isso pode ser feito de forma lúdica, como em desenhos e brincadeiras, para que as crianças possam falar sem se sentirem mal.

Não basta apenas falar sobre tudo de ruim que está acontecendo no mundo e se esquecer de orientar a criança em relação à prevenção da doença. Os adultos devem manter as crianças informadas, principalmente por fontes confiáveis.

No caso do coronavírus o mais indicado é falar sobre as medidas básicas de higiene, como a limpeza das mãos e as maneiras corretas de espirrar ou tossir.

Procure manter uma rotina o mais próximo possível da maneira como viviam antes da pandemia. Dessa forma, no horário da escola, por exemplo, podem ser feitas atividades de aprendizagem. Além disso, os horários de dormir e se alimentar devem ser mantidos.

Limitar a exposição às reportagens televisivas e redes sociais

Crianças em crescimento e desenvolvimento devem brincar, pois aprendem muito dessa forma sem contar que atividades físicas mesmo dentro de suas casas é importantíssimo para evitar irritação e monotonia. Além dos brinquedos prontos, estimule a criatividade por meio de atividades mais dinâmicas, como por exemplo, plantar uma flor, fazer uma receita ou brincar com um jogo de tabuleiro, sempre é possível aprender algo novo por meio de brincadeiras como essas que fogem das telas de celular e da televisão.

Enfim, é provável que essa pandemia se estenda por mais um tempo. Por isso, é fundamental ter muito cuidado, principalmente com o coronavírus e as crianças, os idosos, os portadores de doenças crônicas e pessoas com a imunidade prejudicada. Apesar das crianças serem pouco afetadas pelos sintomas do coronavírus, elas também exigem cuidado e atenção, da mesma forma que adultos.

Fique atento aos sintomas e procure um posto de saúde se necessário. De qualquer forma, é fundamental manter o equilíbrio psicológico e emocional e lembre-se: fique em casa!

“É necessário construir um prazer na convivência em família”, é o que ensina a psicologia

A Psicóloga Clínica e Escolar de Votuporanga, Melina Rodrigues dos Santos Hercos

“As crianças sofrem muito com as consequências da pandemia, neste momento estão em casa, que passou a ser o local de aprendizagem, estudos, lazer e convivência. Precisamos conversar sobre a importância do isolamento social, pois é muito difícil, para as crianças, abrir mão do prazer imediato de sair e se divertir com os amigos, em nome da saúde individual e coletiva.

Houve uma desaceleração e grande mudança na rotina, permitindo que os pais, filhos e familiares fiquem mais tempo em casa. Dessa forma, é necessário construir um prazer na convivência em família, possibilitando momentos de lazer em casa, refeições em conjunto, espaços para diálogos, fortalecendo os vínculos afetivos e familiares, e assim, proporcionar um ambiente saudável para o desenvolvimento das crianças.

O contexto que vivemos nos traz muitos ensinamentos, estamos aprendendo sobre os nossos sentimentos, resinificando as relações familiares e sociais, além da necessidade do cuidado coletivo com a saúde.”