Cidade da região com 10% da população infectada por Covid registra zero caso ativo, diz prefeitura

197

Vitória Brasil/SP, com 1.846 moradores e 195 casos de coronavírus confirmados desde o início da pandemia, anunciou “0 paciente” nesta segunda-feira (12) e atribui a queda à detecção precoce da doença e empenho dos profissionais de saúde.


O município de Vitória Brasil/SP, não possui pacientes em tratamento contra a Covid-19 ou aguardando resultados de exames, segundo o boletim divulgado pela prefeitura. O registro foi anunciado nesta segunda-feira (12).

A cidade, que conta com população de 1.846 pessoas, conforme estimativa do IBGE, possui 195 casos confirmados desde o início da pandemia, sendo 190 pessoas curadas e cinco mortes. Todos os óbitos foram confirmados em 2021, entre o final de fevereiro e o início de abril.

Ainda conforme a prefeitura, o registro de “0 paciente” é para os casos de internação e também para isolamento domiciliar, ou seja, não há casos ativos na cidade.

O Executivo atribui a queda de casos de coronavírus à detecção precoce da doença com testagem, além do empenho dos profissionais de saúde e da população.

Um levantamento realizado pelo G1 no início de fevereiro apontou que Vitória Brasil estava entre os três municípios do noroeste paulista – que conta com 144 cidades – que não registraram mortes pela Covid-19 após quase um ano de pandemia. Em abril, o cenário mudou e todas as cidades da região registram mortes.

Na época, o professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e membro integrante do Centro de Contingenciamento de Coronavírus da Secretaria Estadual de Saúde, Carlos Fortaleza, explicou que o fato do município não registrar óbitos era uma probabilidade estatística.

“Não é nada mais do que isso. As mortes são uma porcentagem pequena dos casos de Covid-19. Não estou dizendo isso para diminuir a força da Covid-19. Ela é terrível. Mas, por exemplo, a taxa de letalidade geral é abaixo dos 2%”, afirmou.

“Ela é alta em idosos, mas é abaixo de 2%. Isso significa que em 1 mil pessoas que adoecem, cinco morrem. Por isso, existem chances probabilísticas de que em uma cidade pequena, com poucos habitantes, ninguém morra”, complementou.

Segundo Carlos Fortaleza, estudos comprovam que a Covid-19 chegou mais tarde em municípios com atividades predominantemente rurais.

“Isso é um fato e realmente aconteceu. Não quer dizer que as pessoas moram no mato. Se a Covid-19 chegou tardiamente nos municípios, ela teve menos tempo de acometer pessoas e, consequentemente, provocar mortes. É mera probabilidade. A genética das pessoas dessas cidades não é melhor. Portanto, os moradores não podem relaxar”, disse.

*Com informações do g1