Araraquara tem variante do coronavírus e Saúde decreta-lockdown a partir desta segunda-feira

352
Força-tarefa de fiscalização deve fazer blitzes pela cidade para evitar circulação de pessoas (Foto: Tetê Viviani/Secom)

Restrições são adotadas após confirmação de que variantes graves do coronavírus estão circulando na cidade

Após a confirmação de que novas cepas do coronavírus encontradas em Manaus (AM) e no Reino Unido estão circulando em Araraquara, a Prefeitura elaborou um novo decreto municipal endurecendo as medidas de isolamento social no município, já que os leitos de enfermaria e de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) operam próximos da ocupação total.

O Decreto nº 12.485 será publicado nos atos oficiais e começa a valer a partir de segunda-feira (15), com efeitos durante os 15 dias seguintes.

A principal alteração do novo documento é a restrição de circulação de veículos e de munícipes pelas ruas. Somente poderá circular quem trabalha em um serviço considerado essencial (como supermercados, farmácias, postos de combustíveis, entre outros) e quem for utilizar um desses serviços.

Equipes da Prefeitura farão blitzes pelas ruas para, em um primeiro momento, a orientação sobre as novas normas do decreto. “Mas a Prefeitura dispõe de dispositivos legais para multar pessoas físicas e jurídicas pelo descumprimento do decreto”, explica o secretário de Cooperação dos Assuntos de Segurança Pública, coronel João Alberto Nogueira Júnior.

Outra mudança é a proibição de que o comércio em geral utilize o sistema de drive-thru. Somente estabelecimentos que já possuem essa estrutura física poderão continuar adotando essa modalidade de venda, como é o caso de algumas redes de fast food e pizzarias. A venda por delivery no setor de alimentação está liberada.

A partir de segunda-feira, poderão funcionar, até as 20 horas, supermercados, hipermercados, açougues, padarias, feiras livres, cerealistas e congêneres (proibido o consumo de gêneros alimentícios no local e estipulado horário exclusivo para ingresso de idosos), estabelecimentos de saúde animal, óticas (um cliente por vez), indústrias (lotação máxima de 30% dos veículos de transporte próprio de empregados e distanciamento de ao menos 3 metros entre um operário e outro na entrada e na saída da indústria), transportadoras, armazéns e oficinas de veículos automotores (com agendamento e portas mantidas fechadas) e atendimento ao público ou autoatendimento em agências bancárias, cooperativas de crédito ou estabelecimentos congêneres (filas com espaçamento de 3 metros e manutenção de empregado ou segurança durante toda a duração do atendimento).

Também poderão funcionar, e sem limitação de horário, hospitais, clínicas, farmácias, lavanderias, serviços de limpeza e postos de combustível que compõem a rede de abastecimento dos serviços públicos municipais, estaduais e federais localizados no Município, bem como da Polícia Militar. Postos de combustíveis que não se encaixam nesse perfil (abastecimento dos serviços públicos) poderão funcionar até as 19 horas, de segunda a sábado, proibido o atendimento presencial ao público nas lojas de conveniência (exceto naquelas que comportem padarias).

Supermercados, hipermercados e demais estabelecimentos de alimentação deverão distribuir senhas na entrada, permitir o ingresso de apenas uma pessoa por família e liberar a entrada de até 30% da capacidade total.

Enquanto Araraquara continuar na fase vermelha do Plano São Paulo, ficarão proibidos os atendimentos presenciais nos seguintes estabelecimentos: shopping center, galerias e estabelecimentos congêneres; comércio e serviços em geral; bares e restaurantes; salões de beleza e barbearias; academias de esportes de todas as modalidades, centros de ginásticas e estabelecimentos congêneres; educação complementar não regulada; eventos, convenções e atividades culturais; e atividades de construção civil, incluídas as lojas de tintas e de materiais para construção.

SITUAÇÃO CRÍTICA

Segundo o boletim do Comitê de Contingência do Coronavírus deste sábado (13), Araraquara registra 100% de ocupação dos leitos de enfermaria e 84% em UTI, com 201 novos casos confirmados da Covid-19.

No final da tarde de sexta (12), o Instituto de Medicina Tropical, órgão vinculado à Universidade de São Paulo (USP), confirmou que cepas do coronavírus encontradas em Manaus (AM) e no Reino Unido foram identificadas em pacientes positivados para covid-19 em Araraquara. As amostras tinham sido enviadas pelo Serviço Especial de Saúde de Araraquara (Sesa) para análise.

Nas últimas semanas, havia a suspeita entre os profissionais de saúde de que uma nova variante do vírus pudesse estar na cidade, já que houve um grande aumento no número de novos casos, internações e óbitos, além de pacientes mais novos apresentarem complicações e precisarem de internação.

Fevereiro, em apenas 13 dias, já é o mês com o maior número de óbitos pela covid-19, com 27 mortes, superando as 24 registradas em janeiro inteiro. Dois óbitos foram registrados neste sábado.

“Essa informação nova só agrava o quadro em que estamos vivendo. Isso exigirá um sacrifício maior para conter a contaminação de uma mutação do vírus extremamente agressiva. Precisamos aumentar nosso rigor no distanciamento social. Nossa capacidade de internação está sendo testada todos os dias, chegando próximo do colapso de atendimento, com a Prefeitura ampliando leitos todos os dias. Mas a notícia da circulação das mutações do vírus exigirá de nós maior rigor e, da sociedade, maior sacrifício para que a gente não perca o controle no enfrentamento à doença, para que os nossos pacientes tenham leitos”, afirma o prefeito Edinho Silva (PT).

“Em um momento como esse, só nossa capacidade de união será capaz de derrotar uma situação tão grave. Essa mutação do vírus já deve estar circulando em outras regiões do estado de São Paulo. Nós teremos que enfrentar esse problema. Além de ampliarmos leitos, precisamos conter a contaminação. E, para isso, é necessário isolamento social. Todos estão no limite, mas nada é mais importante que a vida. É preciso um sacrifício para que a gente recupere tudo o que estamos perdendo. Mas, quando se perde a vida, isso não tem como recuperar”, complementa.

ACidadeON/Araraquara