“Piores dias da minha vida”, diz enfermeira curada da Covid-19

569

Mulher teve o convívio com familiares liberado após alta médica, no entanto, precisa continuar em isolamento social.

Breno Guarnieri  (O ExtraNet) –

“Acredito que fui infectada durante a campanha de vacinação no município”. O relato à reportagem é da enfermeira, confirmada como 3º caso positivo para coronavírus, em Fernandópolis. Hoje, dia 18, ela está entre os sobreviventes da doença.

 

Após apresentar os sintomas, a enfermeira ficou dois dias internada na Santa Casa local, com náusea e muita dor abdominal, além de um pouco de falta de ar. Ao falar sobre como é estar curada de uma doença que, atualmente, aterroriza o mundo inteiro, a enfermeira salienta ter passado por momentos preocupantes.

 

“Piores dias da minha vida. Isso abala qualquer pessoa. Eu sentia muita dor no corpo e cansaço. Mudança de paladar. Não tive febre e nem tosse, mas os sintomas que senti, não desejo para ninguém”, destaca.

 

Ela acredita ter contraído o coronavírus durante a realização da primeira fase da campanha de vacinação contra gripe. “Eu trabalhei no auge da campanha. Em duas horas, eu vacinei cerca de 600 pessoas. Eu acredito que foi neste dia que contraí a doença, pois depois de dois dias comecei a apresentar os sintomas”, acrescenta.

 

Diante do fato, a enfermeira procurou atendimento médico e passou por uma tomografia de pulmão, sendo que o resultado apresentou alterações. O exame de sangue mostrou uma alteração das células infecciosas. Posteriormente, realizou o teste rápido para Covid-19, o qual testou positivo para a doença.

 

“Os primeiros dias da doença foram muito difíceis. Foram dois dias de internação e muita dor. A minha maior preocupação era com a minha família. Fiquei em isolamento, em casa, por 14 dias, tomando medicamentos. Eu não podia ficar recebendo visitas, nem do meu marido e filhos”, salienta.

 

A enfermeira pode dizer que recomeçou a viver no final desta semana. Após a sua plena recuperação (não apresenta mais sintomas) nos 14 dias de isolamento, ela recebeu alta médica. “Agradeço ao tratamento médico que recebi dos profissionais da saúde de Fernandópolis. Agiram muito rápido e com eficiência. Agora, eu posso abraçar meus filhos e marido”, finaliza.