Semana da diversidade para reforçar compromisso com a inclusão

376
O militante Tom Shake

 

Nos dias 27, 28 e 29 de agosto acontece a Semana Virtual da Diversidade de Votuporanga

 

Parada Virtual da Diversidade de Fernandópolis 2020

 

Experimentar a diversidade em nossa vida diária significa ter uma exposição a pessoas, culturas, tradições e práticas diferentes das nossas.  Experimentando a diversidade melhoramos a nossa empatia, pois ouvir sobre a experiência de outra pessoa pode esclarecer uma vida diferente e fornecer uma nova perspectiva.

Estamos em uma época que, mais do nunca, precisamos dialogar. Em tempos de polarização, para abrir ou lidar com diálogos, o diferente, seja no pensar, no agir ou culturalmente, nos ensina novos valores e maneiras de enxergar o mundo.

Aqui em Votuporanga acontecerá nos dias 27, 28 e 29/08 a Semana Virtual da Diversidade, um evento importante com palestras que abordam temas significativos  como: prevenção, redução de danos, cultura   LGBTQIA + , dentre outros assuntos, todas as palestras serão ministradas por profissionais renomados.

O jornal Diário de Votuporanga conversou com algumas pessoas que puderam falar sobre a importância do evento:

(Sueli Friósi – Vereadora)

“O que é diversidade?

De acordo com o dicionário, o conceito de diversidade é definido como “um substantivo feminino que caracteriza tudo aquilo que é diverso, que tem multiplicidade”, ou seja, é tudo aquilo que apresenta pluralidade e que não é homogêneo.

No contexto social, a diversidade é justamente isso: a convivência de indivíduos diferentes em relação à etnia, orientação sexual, cultura, gênero etc., em um mesmo espaço.

Ou seja, vivemos em um Mundo em plena DIVERSIDADE, não apenas de gênero,  mas de ATITUDES!

VIVA A DIVERSIDADE que luta pelos seus DIREITOS!!!!”

(Regina Hercos – escritora e colaboradora do jornal Diário de Votuporanga)

“Vivemos um tempo, em que encontramos seres humanos, traduzindo ensinamentos, que seriam para harmonia da Terra, dos seres que aqui habitam, em proveito próprio, quando esses conhecimentos seriam para o bem comum, o bem do todo. Não consigo enxergar pessoas separadas, colocadas em potes, com etiquetas que dizem, “esse é isso”, “esse é aquilo”. Humano é humano, e estão todos na mesma condição. E foram tantas informações desencontradas, que nortearam a humanidade, justamente para se desencontrarem, quando o sentido seria o inverso, o encontro, o centro, o núcleo; que ao invés de voltarmos para dentro, buscamos fora. Por isso a opinião do outro diz mais sobre você e afeta tanto, quando na verdade, deveríamos saber quem somos, e a opinião do outro ter força zero, sobre nós. Quando um ser humano precisa atacar, seja de que forma, outro da mesma espécie, só demonstra sua falta de capacidade em se colocar como ser, sua incompetência em ser o que se designou em ser, humano, e volta ao primitivismo, das cavernas. Viemos para evolução, e regressarmos parece parte de muitos que aqui habitam, ou apenas respiram. Que nossa maior conquista seja interna, de sabermos no colocar no mundo ao que viemos, as causas nobres e justas, que unam os seres. Que façamos com que a vida seja melhor para todos, cada um a seu modo e vontade, desde que essa seja o bem comum, e nunca o que excluiu uns e elege outros. Comecemos por nós, se assim for, e sigamos sempre a mesma lei, a lei do amor.”

(Psicóloga Clínica Diná Freschi)

Redes Sociais:@dinafreschi

Facebook: Psicóloga Dina Freschi

“Agressões Verbais e Psicológicas e Físicas contra Pessoas LGBTQIA +

infelizmente o Brasil está entre os países mais homofóbicos do mundo, os dados disponibilizados nos sites oficiais são alarmantes, apontando todo tipo violência física e emocional, o que leva muitas pessoas ao extremo sofrimento causando inclusive assassinatos e suicídio. Hábitos culturais, religiosos, políticos e o preconceito estão entre as principais caudas de morte.

A violência psicológica é tão nociva quanto a violência física a qual são submetidos, causando feridas profundas que impactam na qualidade de vida dos indivíduos. A marginalização na sociedade causa sentimento de inadequação e os impactos psicológicos geram os mais diversos sentimentos negativos como: desvalia, baixa autoestima, ansiedade, síndrome do pânico, depressão, entre os transtornos psicológicos.

É lamentável que esse tipo de comportamento social aconteça ainda nos dias de hoje, com tantas informações disponíveis a sociedade de maneira geral precisa ter um olhar mais atento à questões que geram tanto sofrimento e agridem o principio fundamental da humanidade – o amor e a liberdade.”

(Militante Tom Shake)

“O evento tem como principal fundamento trabalhar socialmente a realidade da vivência de pessoas  LGBTQIA+, todos nós temos  dificuldades em nosso dia a dia mais precisamos ter um olhar humanitário para notar que algumas populações específicas tem problemas agravantes e de extrema importância esse evento para conseguimos alcançar inclusão social para pessoas com extrema vulnerabilidade social.”

Para finalizar, um Cordel do poeta cearense Bráulio Bessa chamado Diversidade, que muito diz:

Seja menos preconceito, seja mais amor no peito

Seja Amor, seja muito mais amor.

E se mesmo assim for difícil ser

Não precisa ser perfeito

Se não der pra ser amor que seja pelo menos respeito.

Há quem nasceu pra julgar

É há quem nasceu pra amar

E é tão difícil entender em qual lado a gente está

Que o lado certo é amar!

Amar pra respeitar

Amar para tolerar

Amar para compreender,

Que ninguém tem o dever de ser igual a você!

O amor meu povo,

O amor é a própria cura, remédio pra qualquer mal.

Cura o amado e quem ama

O diferente e o igual

Talvez seja essa a verdade

Que é pela a anormalidade que todo amor é normal.

Não é estranho ser negro, o estranho é ser racista.

Não é estranho ser pobre, o estranho é ser elitista.

O índio não é estranho, estranho é o desmatamento.

Estranho é ser rico em grana, e pobre em sentimento.

Não é estranho ser gay, estranho é ser homofóbico.

Nem meu sotaque é estranho, estranho é ser xenofóbico.

Meu corpo não é estranho, estranho é a escravidão que aprisiona seus olhos na grade de um padrão.

Minha fé não é estranha, estranho é a acusação, que acusa inclusive quem não tem religião.

O mundo sim é estranho, com tanta diversidade

Ainda não aprendeu a viver em igualdade.

Oxente!

Sejam homem ou mulher

Você só é o que é

Por também ser diferente.

Por isso minha poesia, que sai aqui do meu peito

Diz aqui que a diferença nunca foi nenhum defeito.

Eu reforço esse clamor:

Se não der pra ser amor, que seja ao menos respeito!

(Bráulio Bessa)

Agora que refletimos sobre esse tema, deixaremos algumas dicas para você que deseja contribuir para a construção de uma realidade melhor:

– lembre-se sempre que todos têm diferenças e não deveríamos estabelecer quem é melhor;

– entenda que você tem o direito de ter opinião e discordar, desde que com respeito;

– compare-se sempre consigo mesmo, não com os outros;

– acima de tudo, seja exemplo.

Aceitar a diversidade é um passo para evolução de um mundo cansado de injustiça social!

 

(Andrea Anciaes)