Santa Casa local executa plano para enfrentamento de Coronavírus

1551

Comitê foi implantado para padronizar a detecção precoce de pessoas caracterizadas como casos suspeitos.

A Santa Casa de Votuporanga traçou um plano para enfrentamento da pandemia pelo Coronavírus (COVID-19).  O objetivo é padronizar as ações para detecção precoce de pessoas caracterizadas como casos suspeitos da doença em toda a Instituição, envolvendo as equipes assistenciais, médicas e Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH).

Um comitê foi criado, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Ministério da Saúde e Vigilância Epidemiológica Municipal. Essa equipe é formada por chefe de urgência e emergência, diretor clínico, gerente assistencial, pneumologista, infectologista, gerente médico, cardiologista, intensivista, supervisores de enfermagem e fisioterapia e se reúne constantemente para analisar novas estratégias incluindo demais profissionais envolvidos no processo, como farmácia e responsável do estoque.

No Pronto Atendimento, os cuidados começam na recepção. O paciente com sintomas gripais recebe uma máscara cirúrgica e é encaminhado em um local isolado antes mesmo da triagem. Ele passa pela classificação de risco e se definindo como caso suspeito grave, é coletado exame. Se for leve, retorna para casa para confinamento social. Em caso grave, é internado em uma ala isolada.

Os pacientes (internados por outra patologia) que apresentam sintomas gripais também recebem máscara cirúrgica e são orientados sobre a importância da utilização de álcool gel com maior frequência.

 

Uso de máscaras

O uso de máscaras é indicado para pessoas com sintomas da Coronavírus, bem como pessoas e profissionais de saúde que cuidam de indivíduos com a doença ou suspeita.

Nossos colaboradores da linha de frente do Pronto Socorro e demais entradas, como seguranças, recepcionistas, enfermagem e médicos com sintomas gripais ou em contato com pacientes de isolamento de patologias em geral também devem utilizar as máscaras.

Os profissionais de saúde com sintomas respiratórios são avaliados pelo médico de trabalho e podem ser afastados ou orientados ao uso de máscara durante a jornada de trabalho.

 

Acompanhantes

São permitidos acompanhantes para pacientes em situações previstas em lei (menor de 18 anos, idosos a partir de 60 anos de idade, deficientes e mulher em trabalho de parto, no parto e no pós-parto imediato). Outras situações, somente por recomendação formal (por escrito) de médicos ou do serviço de enfermagem.

São permitidas apenas duas trocas para os acompanhantes que acontecem nos seguintes horários, às 7h e às 19h. Acompanhantes que apresentam sintomas gripais não serão permitidos.

No Pronto Atendimento e Atendimento Ambulatorial é permitido apenas um acompanhante por paciente, durante a consulta médica, com exceção das gestantes. Para exames e terapias serão permitidos acompanhantes apenas para os pacientes com prioridades previstas por lei (menor de 18 anos, idosos a partir de 60 anos de idade, deficientes e mulher em trabalho de parto).

Visitas

As regras também mudaram. Nas alas (SUS, convênios e particulares), a visita é das 12h30 às 13h30; na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), as informações serão dadas a familiares por telefone e emergência, das 15h30 às 16h.

Já na UTI Neonatal, os pais podem permanecer das 15h00 às 17h30. E para diminuir a preocupação dos familiares, serão realizadas informações por telefone (017 3405-0133) das 11h45 às 12h45 e das 16h30 às 17h30.